Raphael Silva Fagundes

19 de março de 2019, 22h35

Que patriotismo é esse?

Raphael Fagundes: “Esse é o patriotismo à brasileira que se entranhou nas Forças Armadas e agora faz parte do Estado, supostamente civil. Colocaram-nos à venda, com a permissão dos que têm, em tese, a obrigação de nos proteger”

Foto: Equipe de transição/Rafael Carvalho

Desde a Independência – tirando as três incursões brasileiras na região platina -, os militares brasileiros tiveram como objetivo aniquilar o seu próprio povo. Da política de apaziguamento de Bonifácio, ao combate às revoltas regenciais lideradas por Duque de Caxias, passando por Canudos, pela Revolta da Chibata, 1964, até o golpe de 2016, os militares dedicaram-se, na maior parte das vezes, em apontar suas armas e canhões para o seu próprio povo.

Esse fenômeno é curioso, no entanto, mais comum em países do antigo denominado “Terceiro Mundo” do que nas nações imperialistas do norte, por motivos óbvios.

A questão é que aqui no Brasil a educação militar está à parte da sociedade civil. E isso é assegurado pela própria LDB. De acordo com Ana Penido, a “aprendizagem do ‘ser militar’ é concomitante à diferenciação e separação do mundo civil” (1). Ensina-se o amor à pátria, o louvor aos símbolos nacionais.

Porém, esses valores são desproporcionalmente ensinados em relação à realidade objetiva do Brasil. Portanto, é muito comum a ignorância de um militar perante à formação do Estado brasileiro, as raízes culturais e raciais do povo, a estrutura econômica etc..

Isso desembocou nos dias atuais em uma política de desnacionalização da noção de nacionalismo, política ideológica comum nos países que adotaram o neoliberalismo. Esse modelo valoriza os símbolos nacionais por um lado, mas, por outro, é extremamente alienado quanto as necessidades materiais da população.

É o que claramente vemos hoje. Um governo que se submete aos EUA, idolatra outra nação e abre suas portas para os estrangeiros sem nenhuma política bilateral, apenas por se submeter a outras nações.

Já aqui no Brasil a política é de repressão à esquerda, ao ativismo. Facilita-se o acesso às armas para que uns matem os outros em um jogo imoral que não mede consequências.

Paulo Guedes diz: “o Brasil ama os EUA e eu também”. Já o ministro da Educação diz que os brasileiros são mal-educados e que roubam em hotéis no exterior. O imigrante brasileiro, por sua vez, é humilhado pelo presidente. Para eles é amor, para nós ódio? Como pode um governo dizer que ama um outro país ao mesmo tempo em que afirma que os seus conterrâneos são levianos e bandidos?

Esse é o patriotismo à brasileira que se entranhou nas Forças Armadas e agora faz parte do Estado, supostamente civil. Colocaram-nos à venda, com a permissão dos que têm, em tese, a obrigação de nos proteger.

(1)PENIDO, Ana. A educação nas Forças Armadas”. Le Monde Diplomatique Brasil, ano 12, n. 140, mar., 2019.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum