Imprensa livre e independente
29 de outubro de 2018, 18h48

Reestruturação de ministérios será primeiro ato do governo de Bolsonaro

Ao contrário do que declarou, Minas e Energia, Transporte, Meio Ambiente e Indústria e Comércio podem ser mantidos como pastas independentes

Foto: Miguel Ângelo/CNI/Fotos Públicas A primeira medida a ser anunciada por Jair Bolsonaro (PSL), vencedor das eleições presidenciais, será a reestruturação de ministérios. Após conversas informais com integrantes da equipe de Michel Temer (MDB), além de pressão de setores do agronegócio, o militar voltou atrás da ideia de extinguir pelo menos quatro ministérios, de acordo com informações de Julio Wiziack, Mariana Carneiro e Talita Fernandes, da Folha de S.Paulo. Minas e Energia, Transporte, Meio Ambiente e Indústria e Comércio podem ser mantidos como pastas independentes. Bolsonaro deverá começar sua gestão descumprindo a promessa de eliminar os ministérios de 29 para 15....

Foto: Miguel Ângelo/CNI/Fotos Públicas

A primeira medida a ser anunciada por Jair Bolsonaro (PSL), vencedor das eleições presidenciais, será a reestruturação de ministérios. Após conversas informais com integrantes da equipe de Michel Temer (MDB), além de pressão de setores do agronegócio, o militar voltou atrás da ideia de extinguir pelo menos quatro ministérios, de acordo com informações de Julio Wiziack, Mariana Carneiro e Talita Fernandes, da Folha de S.Paulo.

Minas e Energia, Transporte, Meio Ambiente e Indústria e Comércio podem ser mantidos como pastas independentes. Bolsonaro deverá começar sua gestão descumprindo a promessa de eliminar os ministérios de 29 para 15. Deverão ser ao menos 19.

Bolsonaro será o 16° presidente militar da história do país e o terceiro a chegar ao poder pelo voto direto. Os outros foram Hermes da Fonseca, em 1910, e Eurico Gaspar Dutra, em 1945.

 

Veja também:  Editor do Intercept corrige Fantástico: "Envolvidos não negam autenticidade; Moro já admitiu"

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum