ASSISTA
07 de junho de 2013, 15h47

Reino Unido usou programa de espionagem dos EUA na web

Agência estatal de análise de informações teria acesso especial ao PRISM, que envolve Google, Skype e You Tube

Agência estatal de análise de informações teria acesso especial ao PRISM, que envolve Google, Skype e You Tube

Do Opera Mundi

A agência de espionagem de comunicações do governo do Reino Unido se utilizou secretamente de um programa criado pelo governo dos EUA para armazenar informações de algumas das mais importantes e conhecidas empresas da internet. Esse programa, conhecido como PRISM, possibilita que a NSA (sigla em inglês da Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos) possa verificar livremente, e sem autorização judicial, dados de clientes de gigantes da web, como Google, Facebook, Microsoft, Yahoo, Skype e YouTube, que são obrigadas a fornecer essas informações diretamente de seus servidores.

As informações foram publicadas nesta sexta-feira (07/06) pelo jornal britânico The Guardian, que no dia anterior havia divulgado a existência do documento que provava a existência do PRISM.

Sede do GCHQ, em Cheltenahm, no Reino Unido (Foto: Wikimedia Commons)

O jornal afirma ter recebido documentos da NSA que provam que a GCHQ (Government Communications Headquarters), serviço de inteligência britânico responsável pela segurança e espionagem de comunicações, tem acesso ao PRISM pelo menos desde de junho de 2010, em uma operação que gerou ao menos 197 relatórios de inteligência até o ano passado.

Através desse programa, os investigadores britânicos podem ter acesso a informações pessoais de usuários da internet via Estados Unidos sem precisar passar por trâmites legais, já que quem realizaria o ato está fora do território britânico. O uso desse programa tem levantado sérias questões sobre legalidade, ética e liberdade de expressão. O Guardian questiona quais ministros estão cientes do programa e o quanto eles sabem.

A GCHQ, através de um porta-voz, não negou as informações, limitando-se a dizer que “não comenta assuntos de inteligência”. Por meio de comunicado, afirmou que “realiza suas obrigações através da lei muito seriamente. Nosso trabalho é levado de acordo com uma base estritamente legal e uma política que garante que nossas atividades são autorizadas, necessárias e proporcionais”. Também se recusou a dizer há quanto tempo utiliza-se do programa. Os relatórios de inteligência do GCHQ são geralmente repassados para outros órgãos como o MI5 e o MI6.

Guardian não divulgou a íntegra do documento até o momento, mas afirma que eles são datados de abril de 2013. Trata-se de uma apresentação de 41 páginas em PowerPoint. Os documentos afirmam que “existem programas especiais de processamento simples para o GCHQ”, sugerindo que a agência recebeu material de uma peça sob medida do programa. O jornal afirma que o órgão de coleta de informações britânico teria aumentado sua frequência de relatórios em 137% de entre junho de 2011 a maio de 2012 em relação ao mesmo período da temporada anterior.

Sobre o programa

Com o PRISM, o governo norte-americano tem acesso a arquivos de áudio, vídeo, foto, e-mails, histórico de buscas e conversas de bate-papo de qualquer cliente dessas que estão entre as maiores empresas de tecnologia do mundo. Segundo o Guardian, a Microsoft teria iniciado essa colaboração com o governo em 2007, seguida por Yahoo (2008), Google, Facebook, Paltalk (2009), YouTube (2010), Skype, Aol (2011) e Apple (2012).

As empresas norte-americanas envolvidas no PRISM negam as informações reveladas pelo Guardian e o The Washington Post, e que não dão acesso livre ao governo-norte americano, exceto sobre ordem judicial. O PRISM foi estabelecido no fim do mandato do republicano George W. Bush, antecessor do atual presidente, Barack Obama.