AO VIVO
09 de julho de 2017, 14h02

Relato sobre funeral de Fidel Castro ganha livro

Três jornalistas da Região Sul viajaram até Cuba para acompanhar os cortejos. Projeto passa agora por financiamento coletivo e vai virar o livro “Yo Soy Fidel”

Três jornalistas da Região Sul viajaram até Cuba para acompanhar os cortejos. Projeto passa agora por financiamento coletivo e vai virar o livro “Yo Soy Fidel”

Da Redação

No dia 26 de novembro do ano passado Fidel Castro morreu em Havana. Enquanto o mundo voltava os olhos para a pequena ilha que ousou afrontar o capitalismo com sua versão sui generis de socialismo tropical, três jornalistas independentes da Região Sul – dois paranaenses e um gaúcho – resolveram ver de perto o que estava acontecendo. Gibran Mendes, Leandro Taques e Tadeu Vilani cruzaram Cuba acompanhando o cortejo funerário. Foram nove dias e mais de dois mil quilômetros viajando por terra a bordo de um Dodge 56, um dos famosos e velhos carros presentes no país. O resultado será publicado no livro “Yo Soy Fidel”, que trará 120 páginas repletas de histórias e fotografias.

Mas para o livro passar a existir de fato, os autores abriram uma campanha colaborativa para custear esta última etapa do projeto. A meta é alcançar R$ 25 mil, dinheiro que vai para o pagamento da gráfica onde serão rodados os livros; para o financiamento das recompensas dos colaborares; e para quitar a taxa de serviço cobrada pelo site Kickante, plataforma onde a campanha está hospedada.

O livro “Yo Soy Fidel” é uma espécie de relato de viagem atento à sociedade cubana e aos tantos personagens que passaram pelos olhos e lentes dos autores. Mas é, também, um relato jornalístico ciente do momento histórico ali vivido.

As noventa fotografias que compõe “Yo Soy Fidel”, além de aprofundar o relato – ajudando o leitor a se situar – são, por si só, obras de arte capazes de arrematar qualquer um direto para outro mundo. No caso, um mundo cubano, caribenho e tão pouco entendido e visto pelo resto do planeta.

Para doar na campanha de financiamento coletivo e adquirir o livro, além de saber mais detalhes sobre o projeto, clique aqui.

Sobre os autores.

Gibran Mendes (1982) é jornalista e nasceu em Pato Branco (PR). Passou pela redação da Gazeta Mercantil em Curitiba e atuou na assessoria do poder público, tanto no executivo quanto no legislativo. Atualmente é assessor de comunicação da CUT Paraná e do Instituto Declatra, além de colaborador de veículos da mídia alternativa, como o Brasil de Fato e Jornalistas Livres. Recebeu o Prêmio Sangue Bom de jornalismo por três vezes.

Leandro Taques (1974) é fotógrafo freelancer, graduado em Jornalismo, pós-graduado  pelas Faculdades Curitiba e pela Faculdade Cândido Mendes, do Rio de Janeiro. É professor de fotojornalismo em Curitiba e desenvolve trabalhos fotográficos documentais. Já fotografou em Cuba, China, Angola, no Afeganistão, Paquistão, Tibet, Nepal, Palestina ocupada, Líbano e também na Síria. Integra o coletivo Jornalistas Livres. É colaborador do Terra Sem Males e Brasil de Fato.

Tadeu Vilani (1965) atua profissionalmente desde 1993 e, há 20 anos, é fotógrafo do jornal Zero Hora. Nascido em Santo Ângelo, Rio Grande do Sul, desenvolve projetos fotodocumentais. Influenciada pelo cinema neorrealista italiano. Sua estética é marcada pelo uso do preto e branco e pela temática ligada às causas sociais e ao homem. Vilani já expôs seu trabalho em mostras coletivas e individuais pelo Brasil, Argentina, Iraque, Itália, Lituânia, Polônia, Portugal e Uruguai.


#tags