04 de dezembro de 2018, 17h27

Relator do processo, Edson Fachin vota contra habeas corpus de Lula

“Os argumentos sobre a suposta parcialidade já foram examinados em três ações julgadas. Não há fatos novos”, justificou o ministro; Cármen Lúcia é a próxima a votar

Foto: Nelson Jr./SCO/STF O relator Edson Fachin foi contrário à libertação de Lula. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) foi o primeiro a votar no julgamento do habeas corpus do ex-presidente, que acontece na tarde desta terça-feira (4), na Segunda Turma do STF. A próxima a votar é a ministra Cármen Lúcia. Fachin ressaltou que o julgamento tratava somente da participação do juiz Sérgio Moro no caso de Lula. “Os argumentos sobre a suposta parcialidade já foram examinados em três ações julgadas. Não há fatos novos”. E relembrou os fundamentos das decisões de recursos tanto do Tribunal Regional Federal...

Foto: Nelson Jr./SCO/STF

O relator Edson Fachin foi contrário à libertação de Lula. O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) foi o primeiro a votar no julgamento do habeas corpus do ex-presidente, que acontece na tarde desta terça-feira (4), na Segunda Turma do STF. A próxima a votar é a ministra Cármen Lúcia.

Fachin ressaltou que o julgamento tratava somente da participação do juiz Sérgio Moro no caso de Lula. “Os argumentos sobre a suposta parcialidade já foram examinados em três ações julgadas. Não há fatos novos”. E relembrou os fundamentos das decisões de recursos tanto do Tribunal Regional Federal (TRF) quanto no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

O relator chegou a ser interrompido pelo ministro Ricardo Lewandowski: “O que nós temos verificado é que alguns HCs deste paciente (Lula) estariam sendo direcionados ao pleno e outros para cá, inclusive tendo em conta a alteração recente da composição da sessão”. Fachin interviu: “Vossa excelência não está insinuando alguma coisa…”.

Julgamento “justo”

Cristiano Zanin, advogado de Lula, disse na tribuna que o Brasil é signatário de tratados internacionais, que asseguram a todo cidadão o direito a um julgamento “justo”, o que não houve no caso de Lula. “Esse magistrado (Moro) deu à sociedade garantias de que estava sendo imparcial? A resposta me parece negativa”.

“Tanto é que a sociedade, veículos de comunicação, lançaram pelo menos duas capas como adversários num ringue de boxe. Essa percepção é o que mostra que não se pode cogitar de imparcialidade”, declarou.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais