10 de maio de 2018, 08h31

Relatório final da PF não apresenta provas contra Cancellier, o reitor da UFSC

O ex-reitor se matou 18 dias depois de ser preso

O relatório final da PF não apresenta provas de que o ex-reitor da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Luiz Carlos Cancellier de Olivo, teria se beneficiado financeiramente da acusação que sofreu, de “respaldar e sustentar” uma quadrilha que pilhava recursos da universidade.

A Folha questionou a Polícia Federal sobre a ausência de provas contra Cancellier, mas obteve como resposta apenas que a investigação está finalizada.

O ex-reitor se jogou de um shopping de Florianópolis em 2 de outubro do ano passado, 18 dias após ter sido preso na operação Ouvidos Moucos.

Cancellier aparece no relatório apenas de forma indireta, em episódio citado que envolve repasses na conta de seu filho Mikhail. São três depósitos efetuados em 2013 pelo professor Gilberto Moritz que totalizam R$ 7.102 na conta do filho de Cancellier, que ainda não era reitor da federal.

O filho dele foi questionado por policiais federais e disse não lembrar o motivo das transferências. Na época, ele tinha 25 anos e era ajudado financeiramente pelo pai.

Leia a matéria completa na Folha