Relembre: Em vídeo de 2012, Datena disse que seria um péssimo político | Revista Fórum
30 de junho de 2018, 10h54

Relembre: Em vídeo de 2012, Datena disse que seria um péssimo político

Em entrevista de 2012, o pré-candidato ao Senado pelo DEM chegou a dizer que era "injusto" um apresentador de televisão se candidatar a um cargo político e confessou que ele “seria só mais um imbecil na política”

Na quinta-feira (28), o apresentador de televisão José Luiz Datena confirmou sua pré-candidatura ao Senado Federal pelo Estado de São Paulo. Datena era filiado ao PP desde 2015 e, recentemente, trocou a legenda pelo DEM.

Com a confirmação de sua pré-candidatura, veio à tona novamente, nas redes sociais, um vídeo de 2012 em que Datena afirma que não se candidataria a nenhum cargo político pois ele seria “péssimo”. Trata-se de uma entrevista ao colunista Maurício Stycer, do UOL, em que o pré-candidato chega a afirmar que é “injusto” um apresentador de televisão ser candidato e que, no caso dele, “seria só mais um imbecil na política”.

Confira, abaixo, a íntegra da fala de Datena, em vídeo e em texto.

“Eu acho que não deveria ser proibido [pessoas que aparecem na TV concorrer a cargos públicos], mas é injusto. O cara deveria se auto proibir. Não é porque o cara é bom de rádio, que ele vai ser um bom vereador. Não é porque o cara é bom de TV, que ele vai ser um bom prefeito. O Celso [Russomanno] nunca me tratou mal, pelo contrário, sempre tratei bem o Celso e vice e versa. […] Mas eu sou uma porcaria como administrador. Eu não tenho consciência do que é administrar. Eu posso comentar bem alguma coisa, ou comentar mal, eu pelo menos me expresso. Dou minha opinião. Agora, eu seria um péssimo político. Eu não teria capacidade nenhuma para ser um bom político. Eu sou um apresentador que já tive níveis de audiência altíssimos. […] Mas isso não me dá o direito e nem a competência de ser um bom administrador. Eu seria um péssimo político e péssimo político tá cheio. Além de péssimo político, tá cheio de político ladrão. A CPI do Cachoeira está provando isso e o mensalão tá provando isso. Então, mais um imbecil lá não iria acrescentar em nada. Eu seria um idiota qualquer. Injusto porque o cara tá confundindo popularidade com credibilidade e com capacidade. O cara pode ser popular como o Silvio Santos. Você acha que se não tivessem metido o bedelho no meio do caminho na época do Silvio Santos, ele teria sido eleito presidente da República? É que houve aí forças políticas, que atuaram e impediram o Silvio Santos de ser, porque se não ele seria eleito com os pés nas costas”.