10 de setembro de 2018, 07h39

Renato Freitas, candidato a deputado do PT, é baleado e preso pela Guarda Municipal de Curitiba

Ele fez uma transmissão ao vivo de dentro do camburão, no momento em que estava sendo levado pela guarda. Veja o vídeo aqui

Renato Freitas. Foto: Mídia Ninja

O candidato a deputado estadual Renato Almeida Freitas Jr. (PT) foi baleado duas vezes por balas de borracha na noite deste domingo (9), pela Guarda Municipal de Curitiba, durante panfletagem na Praça do Gaúcho.

Renato, que é advogado criminalista e já foi candidato a vereador pelo PSOL, fez uma transmissão ao vivo quando já estava detido, dentro do camburão.

No vídeo ele diz que estava apenas fazendo uma panfletagem quando foi atingido à queima roupa por dois tiros, um deles na mão e outro nas costas.

“Eu não estava fazendo nada, só estava panfletando”.

Renato foi encaminhado ao Hospital Universitário Cajuru. A Fórum ligou no hospital, mas foi informada que, por medida de segurança, eles não fornecem informações a respeito de pacientes. Depois do hospital, ele seria encaminhado para o 1° Distrito de Curitiba na rua R. André de Barros, 671 no Centro.

Vários políticos, inclusive o Dr. Rosinha, presidente do PT Paraná e candidato a governador, militantes e uma advogada da campanha identificada como Mari se dirigiram ao hospital ainda na noite de domingo.

O vídeo foi com a prisão do candidato circula em várias redes sociais desde a noite deste domingo.

Dr. Rosinha soltou nota, em sua conta no Facebook, sobre a prisão de Renato e a de outra candidata do PT, Edna Dantas, presa ao fazer manifestação pela liberdade do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, durante o desfile de Sete de Setembr.

NOTA SOBRE VIOLÊNCIA DA GUARDA MUNICIPAL CONTRA CANDIDATOS E CANDIDATAS DO PT

Nesta noite de domingo, 09, o candidato a deputado pelo PT Paraná, Renato Almeida Freitas, fazia panfletagem no centro de Curitiba e foi agredido pela Guarda Municipal que o atacou com balas de borracha e o levou preso. Nenhum motivo para a prisão e nem para a violência policial.
Da mesma forma, no dia 07, durante o desfile cívico, Edna Dantas, candidata a deputada estadual pelo PT-PR, realizava manifestação em prol da libertação do presidente Lula junto a outros militantes do partido e foram agredidos e detidos pela Polícia.
Nos dois casos, a única explicação para a perseguição é que ambos são negros, do PT e dos movimentos sociais. O que estamos vendo é uma assustadora onda crescente de violência e perseguição a quem se manifesta e luta a favor dos oprimidos.
Não houve nenhuma preocupação com os ônibus da Caravana do Presidente Lula que foram alvejados, estamos há seis meses sem saber quem matou Marielle e ainda o judiciário determina que não podemos nos manifestar em apoio a Lula.
Estive hoje acompanhando, logo que soube, o desenrolar da prisão arbitrária do Renato. Como estarei solicitando desde já apuração sobre desvio de função policial em ambos os casos.
Estou ao lado da Democracia e, portanto, lutando contra o estado de exceção que vivemos. Basta de perseguição! Basta de violência!

*Dr. Rosinha*
Presidente do PT Paraná