26 de janeiro de 2019, 17h26

Renda de Flávio Bolsonaro é incompatível com movimentação bancária, diz Coaf

A defesa de Flávio disse que, mais uma vez, o senador eleito é vítima de um vazamento criminoso e irresponsável

Foto: Reprodução
Novo trecho do relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que é matéria de capa da revista “Veja” lançada nesta sexta-feira (26), revela movimentações financeiras de Flávio entre 1º de agosto de 2017 e 31 de janeiro de 2018. Ao longo desses seis meses analisados pelo Coaf, o senador eleito e filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro movimentou R$ 632 mil. Foram R$ 337 mil em créditos e R$ 294 mil em débitos. Segundo o órgão de controle financeiro, o valor é incompatível com a renda de Flávio. Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019....

Novo trecho do relatório do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que é matéria de capa da revista “Veja” lançada nesta sexta-feira (26), revela movimentações financeiras de Flávio entre 1º de agosto de 2017 e 31 de janeiro de 2018.

Ao longo desses seis meses analisados pelo Coaf, o senador eleito e filho mais velho do presidente Jair Bolsonaro movimentou R$ 632 mil. Foram R$ 337 mil em créditos e R$ 294 mil em débitos. Segundo o órgão de controle financeiro, o valor é incompatível com a renda de Flávio.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Um dos trechos do relatório divulgados pela revista informa que, à época, o senador eleito do PSL tinha renda de R$ 27 mil.

O documento diz que “a comunicação foi motivada em razão de o cliente movimentar recursos superiores a sua capacidade financeira”.

O Coaf afirma ainda que a renda declarada por Flávio aparentemente não é compatível com a movimentação financeira registrada no período analisado.

A defesa de Flávio disse que, mais uma vez, o senador eleito é vítima de um vazamento criminoso e irresponsável de dados sigilosos com ilações sem qualquer fundamento comprobatório.

Ainda segundo os advogados, não há absolutamente nada de irregular com o patrimônio ou em suas movimentações financeiras de Flávio Bolsonaro.

A reportagem de “Veja” destaca que o senador eleito tem dito que a maior parte dos rendimentos dele vem das atividades como empresário, e não do salário como deputado.

No entanto, o documento também mostra que a maior parte dos créditos na conta de Flávio Bolsonaro, no período analisado, veio da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro.

Com informações do G1

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais