Imprensa livre e independente
27 de dezembro de 2016, 19h41

Repercussão nas redes faz Temer cortar regalias do avião

O pregão, que ocorreria no próximo dia 2 de janeiro, tinha estimativa de R$ 1,7 milhão para o material e a prestação de serviços pelo prazo de um ano. Por Redação* O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse nesta terça-feira (27) que o Palácio do Planalto decidiu cancelar o pregão eletrônico que faria para a compra de 170 itens para almoços, lanches e jantares durante as viagens do presidente Michel Temer em aeronaves presidenciais. Por meio de sua conta pessoal no Twitter, ele disse que o cancelamento ocorreu por “orientação presidencial”. A decisão ocorreu após a repercussão que o assunto...

O pregão, que ocorreria no próximo dia 2 de janeiro, tinha estimativa de R$ 1,7 milhão para o material e a prestação de serviços pelo prazo de um ano.

Por Redação*

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse nesta terça-feira (27) que o Palácio do Planalto decidiu cancelar o pregão eletrônico que faria para a compra de 170 itens para almoços, lanches e jantares durante as viagens do presidente Michel Temer em aeronaves presidenciais. Por meio de sua conta pessoal no Twitter, ele disse que o cancelamento ocorreu por “orientação presidencial”.

A decisão ocorreu após a repercussão que o assunto ganhou nas redes sociais e nos meios de comunicação nesta terça-feira com a descrição dos preços estipulados pela Presidência da República como referência. O pregão, que ocorreria no próximo dia 2 de janeiro, tinha estimativa de R$ 1,7 milhão para o material e a prestação de serviços pelo prazo de um ano. Como justificativa, o governo descreve que as viagens da Presidência geralmente ocorrem em horários que coincidem com as refeições, e pede que o abastecimento seja continuado e fornecido sob demanda.

Veja também:  Diretor que viu carreira desabar após apoiar Bolsonaro é convidado pelo governo “para reconstruir a cultura nacional”

Entre os pedidos, junto a almoços e jantares para o presidente e a comitiva de assessores que o acompanha, constam sorvetes, tortas de chocolate e bombons. Como referência, o Planalto utilizou marcas como o sorvete Haagen Dazs, estimado em R$ 15,09 cada, e que, com 500 unidades solicitadas, custaria mais de R$ 7 mil. Para uma tonelada e meia de torta de chocolate, o preço previsto seria de R$ 96.975.

Por meio de nota, a Secretaria de Comunicação do Palacio do Planalto  informou que o presidente Michel Temer determinou a redução de preços nas licitações, com relação “ao que vinha sendo praticado anteriormente”. A orientação vale para todas as aeronaves que servem ao governo.

De acordo com o edital, seria contratada uma empresa especializada para prestar serviço de comissaria aérea nos voos, e o julgamento das propostas se daria pelo critério de menor preço global, tendo os valores de referência como teto para a aceitação. Dentre os 170 itens estão também potes de creme de avelã, de 350 gramas, tendo como referência a marca Nutella, ao preço de R$ 34 a unidade. Os 120 potes pedidos custariam, de acordo com essa referência, R$ 4 mil.

Veja também:  Questionário para emprego em órgão federal pede opinião sobre "intenção de Bolsonaro"

*Com informações da Agência Brasil

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum