18 de janeiro de 2019, 06h11

Responsável por disparos de fake news na campanha de Bolsonaro ganha cargo no Planalto

Taíse de Almeida Feijó, ex-funcionária da agência AM4, será assessora do secretario-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, com salário de R$ 10,3 mil.

Reprodução
Reportagem de Leandro Prazeres, na edição desta sexta-feira (18) da Folha de S.Paulo, informa que Taíse de Almeida Feijó, funcionáriaa da agência de comunicação AM4 que contratou disparos em massa de mensagens de WhatApp para a campanha presidencial de Jair Bolsonaro (PSL) foi nomeada para um cargo comissionado no Palácio do Planalto, com salário de R$ 10,3 mil. Taíse será assessora da Secretaria-Geral da Presidência, comandada pelo ex-presidente do PSL, Gustavo Bebianno. A nomeação foi feita no Diário Oficial da União na segunda-feira (14). Taíse era a funcionária responsável pela contratação das mensagens enviadas por meio do WhatsApp pela agência...

Reportagem de Leandro Prazeres, na edição desta sexta-feira (18) da Folha de S.Paulo, informa que Taíse de Almeida Feijó, funcionáriaa da agência de comunicação AM4 que contratou disparos em massa de mensagens de WhatApp para a campanha presidencial de Jair Bolsonaro (PSL) foi nomeada para um cargo comissionado no Palácio do Planalto, com salário de R$ 10,3 mil.

Taíse será assessora da Secretaria-Geral da Presidência, comandada pelo ex-presidente do PSL, Gustavo Bebianno. A nomeação foi feita no Diário Oficial da União na segunda-feira (14).

Taíse era a funcionária responsável pela contratação das mensagens enviadas por meio do WhatsApp pela agência AM4. De acordo com o TSE, a AM4 recebeu R$ 650 mil para atuar na campanha de Bolsonaro.

Fórum terá um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Em nota, o órgão comandado por Bebianno respondeu que a nomeação de Taíse se deu por “critérios técnicos, após avaliação curricular e entrevista”.

Em 18 de outubro, antes do segundo turno das eleições, reportagem de Patrícia Campos Mello, na Folha de S.Paulo, revelou que empresários gastaram até R$ 12 milhões para impulsionar fake news pró Bolsonaro no Whatsapp.

Um dos sócios de empresa AM4, denunciada no esquema fake news de Bolsonaro, Alexandre Martins foi candidato a deputado federal pelo PSL-RJ. Outro sócio, Marcos Aurélio Carvalho, chegou a fazer parte da equipe de transição do governo.

Leia a reportagem na íntegra.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais