25 de junho de 2018, 11h45

Rio de Janeiro sedia feira de defesa e segurança

De acordo com dados oficiais, 352 pessoas morreram desde o início da intervenção militar no Rio de Janeiro, cidade sede da feira

É uma feira como outra qualquer. A diferença é o seu principal produto. Voltada para defesa e segurança, a Ridex, que começa no Rio de Janeiro nesta quinta-feira (28), terá novidades a respeito do assunto, como armamentos, tecnologia, shows de lanchas, palestras sobre a Indústria da Construção Naval no Brasil, o portfólio estratégico do exército brasileiro, defesa cibernética entre outras.

No segundo dia, a feira terá palestra sobre os desafios da segurança pública, com autoridades no assunto e, de acordo com o seu site, está com as inscrições esgotadas.

De acordo com dados oficiais, 352 pessoas morreram desde o início da intervenção militar no Rio de Janeiro. A justificativa dos organizadores para sediar a feira no Rio de Janeiro, no entanto, é prosaica e não tem nada a ver com o fato do estado estar sob intervenção federal: “É por ter sido mundialmente divulgado ao sediar grandes eventos como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, o Rio de Janeiro ganha uma oportunidade ímpar ao incluir em seu calendário mais um grande evento relevante, dessa forma, alavancando recursos para o país”.

De acordo com os divulgadores, a “RIDEX é um evento mercadológico que reunirá em um só lugar os maiores players da área de Defesa, Segurança, Offshore, onde terão excelentes oportunidades de negócios com o público nacional e internacional”.

Para o Ministro Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, “a Segurança é um patrimônio do bem-estar comum. A Rio International Defense Exhibition – RIDEX 2018 é a oportunidade de apresentarmos, no Rio de Janeiro, o que há de melhor em tecnologia de ponta e inovação na área de Segurança. Aproveitem esse momento para realizar bons negócios”, disse.

A feira conta com o apoio institucional da Marinha, Exército, Força Aérea, ministério da Defesa, secretaria especial de Assuntos Estratégicos e o Governo do Brasil.