Imprensa livre e independente
13 de dezembro de 2018, 08h29

Secretário da Secom de Bolsonaro espalha discurso de ódio contra a mídia e jornalistas nas redes

Floriano Amorim tem o hábito de replicar postagens da família Bolsonaro. Ele costuma tratar a Folha, por exemplo, como “Foice”, símbolo do comunismo

Foto: Twitter
O publicitário Floriano Amorim, futuro chefe da Secom (Secretaria de Comunicação) do governo de Jair Bolsonaro, mantém um perfil no Twitter com discursos de ódio contra a mídia e jornalistas e opiniões bem similares às do chefe, seus filhos e correligionários. Amorim, que hoje é assessor do gabinete do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), tem o hábito de replicar postagens da família. Ele costuma tratar a Folha, por exemplo, como “Foice”, símbolo do comunismo. Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais Ao republicar post sobre uma pesquisa do instituto Datafolha, o futuro secretário comentou:...

O publicitário Floriano Amorim, futuro chefe da Secom (Secretaria de Comunicação) do governo de Jair Bolsonaro, mantém um perfil no Twitter com discursos de ódio contra a mídia e jornalistas e opiniões bem similares às do chefe, seus filhos e correligionários.

Amorim, que hoje é assessor do gabinete do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), tem o hábito de replicar postagens da família. Ele costuma tratar a Folha, por exemplo, como “Foice”, símbolo do comunismo.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Ao republicar post sobre uma pesquisa do instituto Datafolha, o futuro secretário comentou: “Mais ridículo ainda é perceber que ainda tem gente que dá crédito a uma pesquisa encomendada pela Globo e Folha de SP! Isso já está ficando bizarro e feio pra essa esquerdalha”.

Amorim afirmou também, na rede social que, ao cortar verbas de propaganda oficial, Bolsonaro estará fazendo girar a economia.

“Com essa ação, aqueles que sempre se deram bem nas contas de governo irão ter que mostrar serviço no mercado privado. Em consequência, irão aquecer o mercado. 17!”, disse, citando o número do PSL, sigla de Bolsonaro.

Veja também:  "Possibilidade remota", diz cientista político sobre eventual impeachment de Bolsonaro

Ele também sugeriu punição ao homem acusado de matar a pauladas uma idosa de 106 anos no Maranhão: “Um animal desses só tirando toda a pele e soltá-lo no meio do sertão”, escreveu o publicitário.

Foto: Reprodução Twitter

Amorim terá como atribuição cuidar dos contratos de publicidade oficial do governo. Sua indicação para a Secom não foi oficializada por Bolsonaro, mas nesta semana o futuro ministro da Secretaria-Geral, Gustavo Bebianno, afirmou que ele é o escolhido.

Sobre um jornalista do UOL, Amorim endossou post de Carlos Bolsonaro (PSC) e comentou: “Essa escória com alcunha de jornalista é um peso morto pro país”.

Ele também comparou o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, ao cachorro do ex-presidente americano George Bush, que ficou ao lado do caixão do dono no funeral: “Nem Haddad agiu assim com seu mentor”, em alusão a Lula.

Amorim foi informado por email e mensagem sobre o teor desta reportagem, produzida pela Folha, mas não respondeu sobre os posts.

“Dentro do possível estou tentando responder diversas demandas. Na oportunidade certa vamos nos falar”, disse.

Veja também:  Em guerra aberta, Kim Kataguiri, do MBL, diz que "Bolsonaro está indo para o abismo"

Na noite desta quarta (12), no entanto, o seu perfil no Twitter foi alterado e passou a ser fechado. Com os tuítes protegidos, novos seguidores terão que ser autorizados pelo dono.

O nome da página também mudou para “Brasil” e a foto de Amorim foi substituída por uma imagem da bandeira nacional.

Leia mais sobre o assunto na Folha

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum