15 de janeiro de 2018, 10h30

Secretário de Alckmin admite PSDB como vice de Márcio França

Floriano Pesaro afirmou que é pré-candidato a governador, mas salientou que a prioridade é o fortalecimento da candidatura de Geraldo Alckmin para presidente da República 

Floriano Pesaro afirmou que é pré-candidato a governador, mas salientou que a prioridade é o fortalecimento da candidatura de Geraldo Alckmin para presidente da República  Por Marco Santana, do Jornal da Orla O secretário estadual de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro (PSDB), admite que o partido pode apoiar Márcio França (PSB), abrindo mão da candidatura própria, na disputa pela sucessão do governador Geraldo Alckmin. Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais. Em visita à Redação do Jornal da Orla, de Santos (SP), Pesaro afirmou que é pré-candidato a governador mas salientou que...

Floriano Pesaro afirmou que é pré-candidato a governador, mas salientou que a prioridade é o fortalecimento da candidatura de Geraldo Alckmin para presidente da República 

Por Marco Santana, do Jornal da Orla

O secretário estadual de Desenvolvimento Social, Floriano Pesaro (PSDB), admite que o partido pode apoiar Márcio França (PSB), abrindo mão da candidatura própria, na disputa pela sucessão do governador Geraldo Alckmin.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

Em visita à Redação do Jornal da Orla, de Santos (SP), Pesaro afirmou que é pré-candidato a governador mas salientou que a prioridade é o fortalecimento da candidatura de Geraldo Alckmin para presidente da República.

Ao participar de programa em uma TV local, foi mais enfático: “Nós começamos com a ideia de que poderíamos ter dois palanques para Alckmin em São Paulo, PSB com Márcio França e o PSDB com seu candidato. Hoje, estamos entendendo, cada vez mais, que o ideal é o governador Geraldo Alckmin ter um único palanque, que pode ser encabeçado pelo PSDB ou pelo PSB, pelo Márcio França”.

Segundo ele, isso não significa que o PSDB estará fora do poder, que nem continuará à frente das políticas sociais mais importantes do Estado, como educação, saúde, segurança pública. “O fato de ser o Márcio não significa que nós estaremos abrindo mão do nosso legado e do nosso futuro. Se o Márcio França encabeçar a chapa, com o PSDB de vice e ocupando outras secretarias importantes, não significa que estaremos fora. O que temos que trabalhar neste momento é o fortalecimento da candidatura de Geraldo Alckmin para presidente, a unidade, de nosso partido e de nossos aliados”.

Foto: Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário