Imprensa livre e independente
30 de maio de 2019, 19h20

“Sentimento de revolta”, diz professora sobre canal de denúncia de professores aberto por Weintraub

Na concentração para o ato contra cortes na Educação, na capital paulista, Ana Paula Conti, docente do Instituto Federal de São Paulo, lamentou as atitudes arbitrárias do governo em relação ao setor

Foto: @cucadauneoficial
Durante a manifestação contra os cortes da Educação, na capital paulista, a professora Ana Paula Corti, do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), declarou que ficou chocada ao saber que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, criou uma plataforma de ‘denúncias’ de professores que estivessem coagindo alunos de escolas públicas a participarem dos atos desta quinta-feira (30). “Hoje, eu estava desde às 6 da manhã na instituição que eu trabalho, convencendo as pessoas, fizemos uma aula pública na rua e foi tão lindo ver os alunos aprendendo, discutindo. Ser criminalizado por isso é um sentimento de revolta”, afirmou Ana Paula....

Durante a manifestação contra os cortes da Educação, na capital paulista, a professora Ana Paula Corti, do Instituto Federal de São Paulo (IFSP), declarou que ficou chocada ao saber que o ministro da Educação, Abraham Weintraub, criou uma plataforma de ‘denúncias’ de professores que estivessem coagindo alunos de escolas públicas a participarem dos atos desta quinta-feira (30).

“Hoje, eu estava desde às 6 da manhã na instituição que eu trabalho, convencendo as pessoas, fizemos uma aula pública na rua e foi tão lindo ver os alunos aprendendo, discutindo. Ser criminalizado por isso é um sentimento de revolta”, afirmou Ana Paula.

A professora revelou que o IFSP já está sentindo os cortes de verbas promovidos pelo governo. “Na verdade, desde 2015, a gente tem vivido cortes na Educação. Mas este ano, com o anúncio deste novo corte, o próprio diretor do campus, por exemplo, disse que a partir de agosto fica praticamente inviável a rotina da instituição”, destacou.

Segundo ela, embora já tenha passado por outros cortes, “é a primeira vez que a gente tem uma ameaça real de fechamento. Como a gente tinha um corte anterior, ele vai cortar 50% em cima do que já estava cortado. A gente, de fato, vai começar a ter problemas em agosto, para pagar contas de água e de luz, e de manter os terceirizados”.

Veja também:  Deputados quase saem no tapa em discussão sobre reforma da Previdência. VÍDEO

Impacto

Em relação ao impacto das manifestações, ela ressaltou que a Educação é uma pauta aglutinadora, que tem poder de chamamento na sociedade. “Acho que eles (governo) estão bem assustados e tendo uma reação, que é típica do perfil do governo, que é ter mais agressão ainda”.

“É curioso que, mesmo com toda essa mobilização, do 15M para cá a gente vem sofrendo mais decretos de desmonte, que ameaçam, por exemplo, a nomeação de cargos, como reitor, diretor, que isso teria que passar pelo MEC”, prosseguiu a professora.

Site

Ana Paula prosseguiu lembrando da nova medida do governo, que estabelece que os institutos não podem mais ter um site próprio. “O site teria que ser centralizado pelo MEC, todo conteúdo do site teria que passar pelo crivo do MEC. A gente está numa situação realmente muito difícil. Fica cada vez mais explícito que é um governo contra a Educação”.

“As medidas autoritárias são um desrespeito ao educador, ao professor, nós somos trabalhadores também. É um governo contra o povo. Perseguir professor é estar contra a Educação do povo. Isso mostra o projeto autoritário que eles têm”, completou.

Veja também:  OAB fala em ‘chantagem política’ e pede que STF barre cortes na educação superior

Com informações do repórter Gil Luiz Mendes, direto de São Paulo

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum