19 de novembro de 2018, 09h31

Sergio Moro manobra e com exoneração pode ficar livre de processo no CNJ

O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimentel (PT-RS), e os colegas de bancada Paulo Teixeira (PT-SP e Wadih Damous (PT-RJ), protocolaram junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) uma ação, com pedido de medida cautelar para anular a exoneração do juiz Sérgio Moro.

Coluna do jornalista Frederico Vasconcellos, nesta segunda-feira (19) na Folha de S.Paulo, mostra que a manobra de Sérgio Moro, futuro ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PSL), de pedir exoneração da magistratura após depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo do sítio de Atibaia, deve livrá-lo do processo no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre o tumulto processual causado por ele após a decisão do desembargador Luiz Favreto conceder liminar libertando Lula. “A audiência de Moro deverá ser cancelada porque a exoneração retira do xerife do CNJ a autoridade para aplicar qualquer punição disciplinar ao juiz da...

Coluna do jornalista Frederico Vasconcellos, nesta segunda-feira (19) na Folha de S.Paulo, mostra que a manobra de Sérgio Moro, futuro ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PSL), de pedir exoneração da magistratura após depoimento do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no processo do sítio de Atibaia, deve livrá-lo do processo no Conselho Nacional de Justiça (CNJ) sobre o tumulto processual causado por ele após a decisão do desembargador Luiz Favreto conceder liminar libertando Lula.

“A audiência de Moro deverá ser cancelada porque a exoneração retira do xerife do CNJ a autoridade para aplicar qualquer punição disciplinar ao juiz da Lava Jato”, afirma o colunista da Folha, sobre o processo conduzido pelo corregedor do Conselho, ministro Humberto Martins.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Segundo Vasconcellos, “a rapidez com que foi antecipada a exoneração sugere que foi abortada uma tentativa maior de desgastar o juiz de Curitiba”.

No mesmo dia, nesta sexta-feira (16), foram assinados o pedido do juiz e o ato da exoneração por Thompson Flores, presidente do TRF-4. Moro só pretendia requerer a dispensa no início de janeiro, “logo antes da posse no novo cargo”, como afirma no ofício.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Novo processo no CNJ
O líder do PT na Câmara, deputado Paulo Pimentel (PT-RS), e os colegas de bancada Paulo Teixeira (PT-SP e Wadih Damous (PT-RJ), protocolaram junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ) uma ação, com pedido de medida cautelar para anular a exoneração do juiz Sérgio Moro.

Na petição, os petistas argumentam que o pedido de exoneração não poderia ter sido acatado porque tramitam processos administrativos disciplinares contra Moro no CNJ.

O pedido de exoneração de Moro, após ter entrado de férias, segundo os deputados, é uma “verdadeira artimanha jurídica” e uma tentativa do juiz de “evadir-se das investigações promovidas” pelo CNJ.

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais