Imprensa livre e independente
28 de fevereiro de 2018, 12h19

Sob suspeita de cartel, Cade deve barrar venda de GLP Liquigás para o grupo Ultra

A decisão sai nesta quarta. Caso a operação seja concluída, o grupo Ultra ficará com 45% do mercado brasileiro

O Cade vai decidir nesta quarta-feira (28) se aprova um negócio fundamental para a Petrobras: a venda da distribuidora de GLP Liquigás para o grupo Ultra. A tendência é que a concretização da transação seja barrada. Em agosto de 2017, por exemplo, o Departamento de Estudos Econômicos do Cade concluiu que “a operação traz gravíssimas preocupações concorrenciais, tanto para o mercado GLP a granel quanto para o de GLP envasado”. Para a área técnica do Cade “a presente operação acarreta aumento da probabilidade de exercício coordenado de poder de mercado tanto no segmento de GLP envasado (onde há diversas investigações e condenações...

O Cade vai decidir nesta quarta-feira (28) se aprova um negócio fundamental para a Petrobras: a venda da distribuidora de GLP Liquigás para o grupo Ultra.

A tendência é que a concretização da transação seja barrada.

Em agosto de 2017, por exemplo, o Departamento de Estudos Econômicos do Cade concluiu que “a operação traz gravíssimas preocupações concorrenciais, tanto para o mercado GLP a granel quanto para o de GLP envasado”.

Para a área técnica do Cade “a presente operação acarreta aumento da probabilidade de exercício coordenado de poder de mercado tanto no segmento de GLP envasado (onde há diversas investigações e condenações por cartel), como também no mercado a granel”.

Nos últimos dias, os lobbies de lado a lado avançaram sobre o Cade.  A decisão sai no final do dia.

Investigação de cartel

As negociações entre o grupo Ultra e a Petrobras para a venda da distribuidora de gás de botijão Liquigás ampliam ainda mais a concentração no mercado do combustível, que é alvo de investigações de formação de cartel.

Caso a operação seja concluída, avaliada pelo mercado em cerca de R$ 3 bilhões, o grupo Ultra ficará com 45% do mercado brasileiro. A expectativa do mercado é que o negócio enfrente resistências nos órgãos de defesa da concorrência.

Veja também:  Sergio Moro queria R$ 2,5 bilhões da "fundação Dallagnol" para seu ministério

De acordo com dados da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), a Ultragaz lidera as vendas no país, com uma fatia de 23,7% em junho, dado mais recente disponível. A Liquigás, da Petrobras, está em segundo lugar, com 21,9% de participação.

Supergasbras e Nacional completam o grupo das grandes empresas do setor, com 20,5% e 19,3%, respectivamente. Ou seja, quatro companhias controlam 85,39% das vendas de gás liquefeito de petróleo (GLP, o nome técnico do gás vendido em botijões) no país.

Com informações da coluna de Lauro Jardim e da Folha

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum