Imprensa livre e independente
05 de junho de 2018, 20h37

STF derruba decisão que censurava blog por matéria crítica à Lava Jato

A Justiça do Paraná havia determinado a retirada matérias do blogue de Marcelo Auler em que o jornalista criticava o vazamento de informações da Lava Jato e o atribuía a uma delegada da Polícia Federal

Reprodução/Blog do Marcelo Auler
A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), por três votos a dois, cassou na sessão desta terça-feira (5) a decisão liminar do 8ª Juizado Especial Cível de Curitiba (PR) que havia determinado a retirada de dez matérias jornalísticas críticas à operação Lava Jato do blog do Marcelo Auler. As matérias em questão teciam críticas aos vazamentos de informações na operação e os atribuía a delegada da Polícia Federal Erika Mialik Marena. A censura foi imposta depois que a delegada ingressou com ação solicitando reparação pecuniária e a retirada das matérias pois elas representariam uma “ofensa” a sua honra. Desde...

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), por três votos a dois, cassou na sessão desta terça-feira (5) a decisão liminar do 8ª Juizado Especial Cível de Curitiba (PR) que havia determinado a retirada de dez matérias jornalísticas críticas à operação Lava Jato do blog do Marcelo Auler.

As matérias em questão teciam críticas aos vazamentos de informações na operação e os atribuía a delegada da Polícia Federal Erika Mialik Marena. A censura foi imposta depois que a delegada ingressou com ação solicitando reparação pecuniária e a retirada das matérias pois elas representariam uma “ofensa” a sua honra. Desde 2016, quando foi proferida a decisão da Justiça paranaense, o blogue mantém uma tarja de “censurado” no topo de sua home.

O jornalista Marcelo Auler, então, entrou com o recurso no STF que foi julgado hoje. O relator do caso, ministro Alexandre de Moraes, e Marco Aurélio votaram contra o recurso. Já os ministros Luiz Fux, Luiz Roberto Barroso e Rosa Weber votaram a favor, formando maioria e derrubando a decisão.

Confira, abaixo, a íntegra da nota do STF sobre a sessão desta terça-feira.

1ª Turma cassa decisão que determinava retirada de conteúdo crítico à Lava-Jato de blog jornalístico

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), na sessão desta terça-feira (5), cassou decisão liminar do 8ª Juizado Especial Cível de Curitiba (PR) que havia determinado a retirada de matérias jornalísticas, veiculadas em um blog, criticando vazamentos de informações na Operação Lava-Jato e os atribuindo a uma delegada e a membros do Ministério Público Federal que atuam na força tarefa. Por maioria de votos, os ministros deram provimento ao agravo interposto por um jornalista contra decisão do relator da Reclamação (RCL) 28747, ministro Alexandre de Moraes, que havia negado trâmite ao pedido (negado seguimento).

No caso dos autos, a delegada da Polícia Federal Erika Mialik Marena afirma que matérias jornalísticas publicadas no blog do jornalista Marcelo Auler atribuindo a ela participação em vazamentos de informações relativas à Operação Lava-Jato seriam ofensivas a sua honra. Por esse motivo, a delegada ingressou com ação solicitando reparação pecuniária e a retirada das matérias já publicadas, obtendo liminar nesse sentido. No recurso ao STF, o jornalista alega que a retirada da notícia configura censura prévia e desrespeita o julgado na Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) 130, que entendeu que a Lei de Imprensa (Lei 5.250/1967) não foi recepcionada pela Constituição de 1988.

Segundo o relator, a reclamação ajuizada diretamente ao STF não é o instrumento processual adequado, pois o paradigma invocado, o da ADPF 130, não se aplica ao caso dos autos, já que, em seu entendimento, não teria havido censura prévia. Para o ministro, a determinação de retirada da notícia ocorreu depois que o magistrado de primeira instância analisou os fatos e considerou a existência de conteúdo ofensivo. O entendimento foi seguido pelo ministro Marco Aurélio, segundo o qual a decisão poderia ser contestada por meio de agravo ou apelação junto à segunda instância.

Divergência

Para ministro Luiz Fux, que abriu a divergência, a decisão representa afronta ao julgado na ADPF 130, pois não ficou claro que o intuito do jornalista tenha sido o de ofender a honra da delegada mediante a divulgação de notícia sabidamente falsa contra sua honra, mas sim apontar a existência de vazamentos de informações na Operação Lava-Jato e, para tanto, identificou supostas fontes. O ministro destacou que, em matéria de liberdade de expressão, o Tribunal tem aceitado julgar reclamações que não tenham correlação direta com o julgado no caso paradigma.

O ministro Luiz Fux salientou, ainda, que a jurisprudência do STF é no sentido de que deve haver uma maior tolerância quanto às matérias de cunho potencialmente lesivo à honra de agentes públicos, especialmente quando existente interesse público, como considera ser o caso do conteúdo das matérias jornalísticas excluídas do blog.

O ministro Luís Roberto Barroso observou que, embora as reclamações deferidas pelo STF em matéria de liberdade de expressão fujam ao padrão tradicional de exigência de equiparação estreita com o paradigma, há uma grande quantidade de precedentes do Tribunal nesse sentido.

Para o ministro, a retirada de matéria divulgada online em blog jornalístico exige uma caracterização inequívoca de comportamento doloso contra alguém, mas avaliou que no caso teria havido apenas a divulgação de matéria com críticas à Lava-Jato. Segundo ele, a Constituição protege o direito de retificação, resposta e reparação, mas não o de retirada de crítica plausível. A ministra Rosa Weber apontou incongruência na decisão do juízo de origem, de caráter liminar, que determinou a exclusão das matérias antes mesmo de ser julgado, no mérito, se houve ou não ofensa.

Veja também:  Em nova derrota do governo, decreto de armas de Bolsonaro é rejeitado na CCJ do Senado

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum