Imprensa livre e independente
09 de novembro de 2016, 13h00

STF pode liberar terceirização sem limites em julgamento que começa nesta quarta-feira

Começa nesta quarta-feira (9) a votação do Recurso Extraordinário 958252. Por trás das casas numerais esconde-se um dos maiores riscos aos direitos trabalhistas das últimas décadas: a terceirização. O processo tem como objetivo anular a decisão do Tribunal Superior do Trabalho que julgou como ilegal a terceirização em atividades-fim por uma empresa de celulose Por Gibran Mendes O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia nesta quarta-feira (9) a votação do Recurso Extraordinário 958252. Por trás das casas numerais esconde-se um dos maiores riscos aos direitos trabalhistas das últimas décadas: a terceirização. O processo, cujo relator é o ministro Luiz Fux, tem...

Começa nesta quarta-feira (9) a votação do Recurso Extraordinário 958252. Por trás das casas numerais esconde-se um dos maiores riscos aos direitos trabalhistas das últimas décadas: a terceirização. O processo tem como objetivo anular a decisão do Tribunal Superior do Trabalho que julgou como ilegal a terceirização em atividades-fim por uma empresa de celulose

Por Gibran Mendes

O Supremo Tribunal Federal (STF) inicia nesta quarta-feira (9) a votação do Recurso Extraordinário 958252. Por trás das casas numerais esconde-se um dos maiores riscos aos direitos trabalhistas das últimas décadas: a terceirização. O processo, cujo relator é o ministro Luiz Fux, tem como objetivo anular a decisão do Tribunal Superior do Trabalho (TST) que julgou como ilegal a terceirização em atividades-fim por uma empresa de celulose.

“Sabemos dos inúmeros problemas que a terceirização acarreta. Trabalhadores contratados neste modelo recebem, em média, salários 25% menores, tem uma carga horária maior e ainda sofrem com maior rotatividade no emprego. Há estudos que mostram também que o risco de acidentes de trabalho, inclusive com morte, é significativamente maior para estes empregados”, explica o advogado e professor de Direito do Trabalho, Ricardo Nunes de Mendonça.

De acordo com ele, não há uma visão muito clara da sociedade a respeito das consequências da terceirização sem limites. Mesmo que o tema venha sendo fruto de debates há alguns anos por conta do PL 4.330/2004 aprovado na Câmara Federal e que agora tramita no Senado como PLC 30/2015. O ideal, na visão do professor, seria a ampliação do debate para que a sociedade tome conhecimento das consequências reais para os trabalhadores e a sociedade como um todo.

Veja também:  Melindrou: Hashtag #MoroJuizFake vira principal assunto no Twitter mundial

Questionado se há um açodamento do STF em adiantar um tema que ainda preciso de profundo debate, Mendonça afirmou positivamente. “No meu entendimento, sim. Esse tema é objeto de uma PL que tramita no Congresso Nacional e atualmente está no Senado com relatoria do senador Paulo Paim (PT-RS). Ele tem realizado uma série de audiências públicas no Brasil inteiro para discutir essa matéria que é muito complexa, tanto para a Constituição Federal quanto para o Estado de Bem Estar Social”, analisou.

O advogado explica que, embora o julgamento esteja marcado para o dia de hoje, ele ainda pode demorar algum tempo para ter uma decisão, ou ainda, corre o risco de ser adiado. O rito estabelecido dita que o relator apresentará sua proposta de voto. Depois as partes envolvidas apresentam os seus argumentos e os amici curae – entidades envolvidas com interesse no tema – também dispõem de um determinado tempo para fazer a sua sustentação oral. Depois disso os demais julgadores apresentam suas proposta de voto.

Veja também:  Sentença de Lula pode ser anulada pelo STF caso Moro seja considerado suspeito

“Mas precisamos observar outras questões. O ministro Barrosso tem uma ação de descumprimento de ação de preceito fundamental (ADPF) que trata exatamente da mesma matéria. Este tipo de ação tem preferência para o julgamento, antes mesmo de um recurso extraordinário, mesmo que com repercussão geral como é o caso deste julgamento. O ministro Barroso liberou para o julgamento na segunda-feira e passou o seu entendimento à ministra Carmem Lúcia, presidente do STF, de que ambas deveriam ser julgadas juntas”, explica Mendonça.

Leia também

STF vota terceirização e pode dar “fim ao emprego formal”, alerta sindicato

Terceirização, a “modernização” que esconde um retrocesso: entenda o que está em jogo

Contudo, são necessários cinco dias para a publicação do julgamento da ADPF, o que pode inviabilizar que o julgamento ocorra ainda nesta quarta-feira. Há, ainda, outra possibilidades como um ministro pedir vistas ao processo e que voltará a ficar engavetado por tempo indeterminado.

“Day after”Mas caso o recurso extraordinário seja julgado ainda nesta quarta-feira. Quais são as possibilidades? No entendimento de Mendonça três hipóteses são plausíveis. O STF pode dizer que não há lei que proíba a terceirização, colocando o entendimento de que no âmbito das relações privadas tudo o que não é proibido é permitido. A segunda delas é a Corte atuar, novamente, como ente legislador estabelecendo regras para a terceirização. A última seria o Supremo ter o entendimento de que este modo de contratação encontra obstáculos na Constituição Federal e na CLT, uma vez que o entendimento seria de que as únicas hipóteses em que ela é permitida é no caso da contratação de trabalhadores temporários e serviços de vigilância, ou seja, em atividade meio.

Veja também:  #MoroTraidorDaPatria é o assunto mais comentado do Twitter no Brasil

“Caso uma das duas primeiras hipóteses torne-se real, as empresas possivelmente começarão paulatinamente a precarizar os contratos e as relações de trabalho. Parte do estado de bem estar social será engolido sem debates amplos com a sociedade e, infelizmente, creio que grande parte das pessoas só perceberá isso quando o retrocesso bater em sua porta”, finaliza Mendonça.

Foto: Gabriela Korossy

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum