Imprensa livre e independente
06 de novembro de 2013, 17h26

Suécia vai submeter filmes a teste de machismo

Rede de cinemas vai analisar se as obras em cartaz representam adequadamente o papel da mulher

Rede de cinemas vai analisar se as obras em cartaz representam adequadamente o papel da mulher Por Redação Guerra nas Estrelas (Foto: Reprodução) A Bio Rio, uma rede de cinemas da Suécia, irá submeter os filmes que estiverem em cartaz nas suas salas ao método Bechdel, conceito proposto pela quadrinista Alison Bechdel. O método consiste em analisar se a obra representa adequadamente o papel da mulher. Para que o filme tenha o conceito “A” é preciso que existam, ao menos, duas personagens femininas, elas devem conversar entre si e o assunto não pode ser homem. Apesar do conceito parecer simples,...

Rede de cinemas vai analisar se as obras em cartaz representam adequadamente o papel da mulher

Por Redação

Guerra nas Estrelas (Foto: Reprodução)

A Bio Rio, uma rede de cinemas da Suécia, irá submeter os filmes que estiverem em cartaz nas suas salas ao método Bechdel, conceito proposto pela quadrinista Alison Bechdel.

O método consiste em analisar se a obra representa adequadamente o papel da mulher. Para que o filme tenha o conceito “A” é preciso que existam, ao menos, duas personagens femininas, elas devem conversar entre si e o assunto não pode ser homem.

Apesar do conceito parecer simples, alguns blockbusters já foram rejeitados no método Bechdel, como: “Guerra nas Estrelas”, “Harry Potter”, “A Rede Social” e “Senhor dos Anéis” (a trilogia).

A Suécia já fiscaliza a publicidade,  para evitar o sexismo e o reforço de estereótipos, como a exploração da nudez feminina.

Ellen Tejle, gerente da Bio Rio, disse à Associated Press, que os espectadores raramente veem “uma superheroína ou uma professora ou uma pessoa do sexo feminino que passe por desafios emocionantes e os supere”. “O objetivo é ver mais histórias e perspectivas femininas nas telas de cinema”, afirma.

 

Veja também:  Eduardo Bolsonaro entrevista viúva de Ustra, o maior torturador da ditadura militar

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum