#bico-de-pé

21 de novembro de 2017, 12h31

Dinheiro, muié e bicho-de-pé

Em Nova Resende, quando eu era criança, quem estava à toa, sem trabalho, vagabundeando (ainda que sem querer, pois podia ser o caso de gente que queria trabalhar, mas não tinha emprego), dizia que estava “trabalhando pro Zé Rezende”.