#crônica

23 de janeiro de 2015, 17h48

E viva a burocracia!

Uma crônica que, apesar de relacionada ao transporte público em São Paulo, se refere mesmo é à burocracia, às vezes excessiva no Brasil


16 de novembro de 2014, 15h13

Lelê Teles: LOBÃO JOGA A TOALHA

E sua nova crônica, Lelê Teles fala do Lobão Quixote, cavaleiro de triste figura. Para ler mais crônicas de Lelê acesse: Lelê Teles: Ao passar pelo STF se benza! LOBÃO JOGA A TOALHA Por: Lelê Teles 16/11/2014 Pelas barbas de Bin Laden, o nosso Lobão Elétrico quase entrou em curto ao se aproximar do vão do […]


28 de outubro de 2014, 23h10

Desculpe, presidenta, eles não sabem história, eles não conhecem o Brasil

Eles perderam! Por Sílvio Prado* Racistas e homofóbicos, vocês perderam. Malafaias, Marinas e Levys (fedidos e fidelis), vocês perderam. Aécios, Fernandos, Geraldos, Goldmans, Serras e outros tantos picaretas dessa horrenda espécie tucana, vocês perderam. Marinhos, Mesquitas, Saads, Civitas e Frias (entraram em mais uma fria!), juntamente com a restrita corja que controla os meios de […]


10 de agosto de 2014, 13h16

A morte é uma exagerada

Transformar o mundo e mudar de vida, como exigiam Marx e Rimbaud, parece muita vezes sem sentido. Mas, há algum sentido em estar parado?


01 de agosto de 2014, 10h57

Uma profissão cada vez melhor

Ouvi comentários sobre uma matéria de jornal que eu não li, mas achei interessante o que me contaram. Ela se referia a passeadores de cachorros, que cobram meio salário mínimo por mês para passear com um cachorro duas vezes por semana, meia hora cada vez. Então, o passeador dedica a cada cachorro uma hora por […]


23 de abril de 2014, 11h19

Recanto das Abobrinhas XXXIII

Desaforismos (Aforismos meio desaforados) Mais vale cair em si do que em um abismo. *** Se é verdade que toda família tem um gay, a China, com sua política de permitir apenas um filho por família está gerando algumas centenas de milhões – uma geração inteira – de homossexuais. *** Muitas diretrizes governamentais deviam chamar-se […]


24 de março de 2014, 14h18

Eu, preta, pobre e crackeira

"Engoli uma frase qualquer, dessas que uma branca-intelectual-estudada-militante consegue articular. E senti cada vez mais perto todos aqueles olhos cheios de ódio, aqueles corpos agressores, aqueles dedos na minha cara. A polícia já estava ali, em cada um deles"


22 de fevereiro de 2014, 16h25

Dona Cidoca, Haddad, a Cracolândia e minha feijoada

Vinha agora no ônibus sentada ao lado de uma senhora, 70 anos, negra, recém aposentada, 22 anos de trabalho doméstico e mais 20 anos de trabalho numa creche municipal. Segundo ela ainda não caiu a ficha da aposentadoria e ela não sabe bem o que fazer quando acorda toda manhã. Eu trazia uma feijoada em […]


10 de janeiro de 2014, 11h45

Ninguém perguntou sobre os corpos negros ensanguentados no chão

As histórias de Paulo, Léo e Isaque que, por serem negros, têm mais de chances de serem mortos do que o jovem Eduardo


18 de dezembro de 2013, 16h45

O desabafo da moça do crachá

Confira o texto de estreia do escritor Alex Castro, que terá um blogue na Fórum a partir de janeiro


25 de novembro de 2013, 21h34

Wagner Iglecias e a professora que agradece a todos os governantes pela civilização do asfalto

Do caos nosso de cada dia Por: Wagner Iglecias, especial para o Maria Frô 25/11/2013 Uma amiga e colega professora postou numa rede social na tarde desta 2a. feira um texto em tom de desabafo. Depois de mais de duas horas de trânsito entre a USP Leste, em Ermelino Matarazzo, zona leste, e o bairro […]


02 de novembro de 2013, 14h48

Sobre zumbis, caixões e seus cemitérios

E as lojas piscam, e, como zumbis, os mortos vão para a luz, e depois voltam com o céu dentro de sacolas, e entram nos seus caixões e rumam para a cova. Lar, doce lar


29 de outubro de 2013, 23h02

Ferréz: Mudar o amanhã

O indulto, a liberdade provisória só dura enquanto o cartão de crédito cantar.


28 de outubro de 2013, 21h34

Safadezas de um pseudo-deficiente

Luizim não tinha ainda nem um mês de São Paulo. Saiu do Sul de Minas disposto a trabalhar e estudar, e já estava empregado. Tinha também arrumado um colégio para fazer o curso noturno.


28 de outubro de 2013, 15h40

O sabiá desmente o sábio

Pouco depois de se aposentar como ministro do Supremo Tribunal Federal, Carlos Ayres Britto deu uma entrevista à Folha de S. Paulo em que contou, entre outras coisas, que se tornou vegetariano.