#Dimitri do Valle

30 de abril de 2015, 15h38

Jornalista paranaense revela detalhes do massacre de 29 de abril

"Muitos vinham carregando, como feridos da guerra campal, pelos braços e pernas, manifestantes desacordados e feridos (...) O prédio mais próximo em que eles poderiam ficar à espera de socorro foi a Prefeitura. O hall de entrada e salas próximas, onde o IPTU e tributos municipais são cobrados, foram transformados em hospital de campanha. Vídeos de smartphones com os feridos deitados, sangrando e sem camisa passaram a ser veiculados na internet".