#Gepcol

10 de junho de 2013, 17h58

Em nota, entidades criticam mudanças em campanha para prostitutas

Organizações argumentam que “projetos de felicidade, inclusive de prostitutas, não devem ser reprimidos e sim considerados como ponto de partida de qualquer iniciativa em saúde pública”