#mulheres presas

10 de novembro de 2015, 16h31

Estudo mostra que 65% das detentas gestantes poderiam ficar em prisão domiciliar

Uma pesquisa feita em presídios de todas as capitais brasileiras e regiões metropolitanas que recebem mães com filhos pequenos mostra que a maior parte das gestantes condenadas poderia cumprir prisão domiciliar, por ter cometido crimes de menor poder ofensivo, como porte de drogas e pequenos furtos, e serem presas provisórias.