#musas

13 de julho de 2015, 16h30

Sobre musas, preconceito, ofensas e esportes

A cada quatro anos um ciclo se repete. Chegam os Jogos Pan-Americanos, no ano seguinte os Jogos Olímpicos e com esses dois megaeventos aparecem as “musas” inspiradoras. O curioso é que em grande parte das vezes as “musas atletas” se incomodam com a alcunha. Elas treinam absurdamente, se privam de muitas coisas, abrem mão de grande parte da juventude na labuta dos treinos, atingem resultados importantes e aí… musas.


09 de julho de 2014, 18h48

Violência doméstica não é piada!

Alemanha não “estuprou” o Brasil. Eles simplesmente ganharam. Desde quando estuprar se tornou equivalente a ganhar? Escolha suas palavras com sabedoria. Texto de Thaís Campolina O futebol ainda é um reduto masculino quase intocável: no Brasil, apenas o futebol masculino é valorizado, o jornalismo esportivo tem como uma das principais pautas musificar torcedoras, jornalistas, bandeirinhas e […]