#Pedro Barusco

18 de agosto de 2017, 12h28

Delatores da Lava Jato tem levado mais que o previsto em lei

Segundo especialista, o uso indiscriminado dessas colaborações premiadas coloca em cheque garantias constitucionais Da Redação* Um estudo realizado pelo pesquisador Thiago Bottino, membro da Comissão Permanente de Direito Penal do Instituto dos Advogados Brasileiros (IAB), apontou uma série de incompatibilidades nas delações premiadas. Segundo análise, os denunciantes têm recebido benefícios maiores do que o previsto […]


10 de julho de 2017, 11h50

Defesa de Lula: “Não há provas materiais que demonstrem a culpa do ex-presidente”

Em artigo publicado nesta segunda-feira (10), no Huffpost, os advogados de Lula dizem, entre outras coisas, que: “As 27 audiências relativas à ação mostraram a atuação de um juiz-acusador. O caráter complementar que a lei reserva à atuação do juiz na coleta da prova em audiência foi substituído por claro e injurídico protagonismo, cujo objetivo era ofuscar a flagrante prova da inocência de Lula nos autos”.


30 de janeiro de 2017, 11h05

Ministro do TCU que condenou Dilma é acusado de receber 1 milhão em propina

Augusto Nardes, o ministro do TCU (Tribunal de Contas da União) responsável por condenar as contas de Dilma Rousseff e escancarar as portas para o processo de impeachment, foi acusado pelo ex-diretor da Petrobras Renato Duque. Duque, que está preso em Curitiba, diz em delação premiada, que Nardes recebeu R$ 1 milhão entre 2011 e 2012 para não criar empecilhos em procedimentos contratuais de uma plataforma.


11 de março de 2015, 09h19

Imprensa deturpa declarações de Barusco

O depoimento do ex-gerente da Petrobras, Pedro Barusco, não havia terminado e os principais jornais já manchetavam distorções: "Barusco diz que propina passou a ser institucionalizada em 2004", publicou a Folha, e "Propina passou a ser 'institucionalizada' a partir de 2004, afirma ex-gerente à CPI", publicou o Estadão. Não foi, entretanto, o que ele falou


10 de março de 2015, 14h56

CPI da Petrobras: Barusco se recusa a detalhar esquemas de propina antes de 2003

Em seu depoimento, o ex-gerente de Engenharia da Petrobras colocou em dúvida informações sobre pagamento de propina ao PT: "Não sei se o Vaccari recebeu, se foi doação legal, se foi no exterior, se foi em dinheiro".


06 de fevereiro de 2015, 09h32

Ex-gerente da Petrobras diz que começou a receber propina durante governo FHC

Pedro Barusco afirmou à Polícia Federal que fazia negócios ilícitos com a empresa holandesa SBM desde 1997; os pagamentos de propina, segundo ele, variavam entre US$ 25 milhões e US$ 50 milhões.