#sociedade do espetáculo

11 de janeiro de 2018, 17h49

Luciano Huck: da vulgaridade regada a funk e pagode à “grande esperança branca”

O ex-cineasta e jornalista Arnaldo Jabor chamava-o de “fazendeiro de bundas” no final dos anos 1990. Naquele momento, a elite bem-pensante de um país cujo presidente era um sociólogo e doutor pela Sorbonne via-o como um personagem do nível de apresentadores como Gugu ou Ratinho. Produto da “revolução da vulgaridade regada a funk e pagode”. […]