#única vez

14 de setembro de 2017, 07h58

Célio Turino: “O negócio da leniência”

A alternativa minimamente ética será cobrar o valor de uma única vez, porque assim não poderiam repassar para preço e o dinheiro teria que sair do capital dos controladores, de preferência com confisco de bens.