Imprensa livre e independente
08 de maio de 2019, 09h58

Tasso Jereissati critica estatais de saneamento e é acusado de querer privatizar água: “Senador Coca-Cola”

Em comissão mista que aprovou relatório do tucano sobre MP para privatizar serviços de saneamento, deputado Glauber Braga (PSol/RJ) acusou Tasso, que é acionista de uma maiores distribuidoras da Coca-Cola no mundo, de estar por trás dos interesses de empresas privadas no setor

Glauber Braga (PSol/RJ) e Tasso Jereissati (PSDB/CE) (Agência Senado)
Ao criticar o “corporativismo” em torno das empresas estatais de saneamento, na Comissão Mista que aprovou nesta terça-feira (7) o Marco Regulatório que permite a privatização do setor, o senador Tasso Jereissati (PSDB/CE) tomou uma invertida do deputado Glauber Braga (PSol/RJ). “O senador Tasso Jereissati disse que parlamentares que estavam fazendo a defesa do povo brasileiro para que as pessoas não pagassem contas mais altas são corporativistas. Senador Tasso, corporativista é o senhor. Eu não sou dono da Coca-Cola e nem estou de olho nas reservas de água no Brasil. Quem está defendendo interesse do setor privado é o senhor,...

Ao criticar o “corporativismo” em torno das empresas estatais de saneamento, na Comissão Mista que aprovou nesta terça-feira (7) o Marco Regulatório que permite a privatização do setor, o senador Tasso Jereissati (PSDB/CE) tomou uma invertida do deputado Glauber Braga (PSol/RJ).

“O senador Tasso Jereissati disse que parlamentares que estavam fazendo a defesa do povo brasileiro para que as pessoas não pagassem contas mais altas são corporativistas. Senador Tasso, corporativista é o senhor. Eu não sou dono da Coca-Cola e nem estou de olho nas reservas de água no Brasil. Quem está defendendo interesse do setor privado é o senhor, não eu. Vossa excelência defende interesses corporativos daqueles que querem a privatização da água no Brasil”, disse Braga, chamando o tucano de “senador Coca-Cola”.

Com um patrimônio estimado em R$ 400 milhões, declarado em 2014, Tasso Jereissati faz parte do Grupo Jereissati, que comanda a Calila Participações, única acionista brasileira da Solar, uma das 20 maiores fabricantes de Coca-Cola do mundo.

Veja também:  Doria defende afastamento de Alckmin do PSDB por investigação de caixa dois

Foi da Solar que saiu a maior doação de campanha para Jereissati: R$1,5 milhão. A empresa tem 12 mil empregados, que seu site chama de “colaboradores”, que trabalham em 13 fábricas e 36 centros de distribuição.

Privatização
Tasso é o relator da MP 868/2018, conhecida como Marco Regulatório do Saneamento Básico, que, na prática, autoriza a privatização dos serviços.

O dispositivo mais contestado do projeto é a vedação aos chamados contratos de programa, que são firmados entre estados e municípios para prestação dos serviços de saneamento em colaboração. Os contratos de programa não exigem licitação, já que o contratado não é uma empresa privada.

O deputado Afonso Florence (PT-BA), autor de um voto em separado contra a MP, argumenta que a gestão associada está prevista na Constituição, cabendo aos estados e municípios disciplinarem essa cooperação. Ao proibir os contratos de programa, a proposta estaria interferindo sobre essa atribuição e incorrendo em “inconstitucionalidade flagrante”, afirmou ele.

O deputado Glauber Braga acrescentou que, sem os contratos de programa, a maioria das cidades teria que apelar para a privatização dos serviços, pois não teriam condições de fazê-lo por esforços próprios. Para ele, esse é o verdadeiro objetivo da medida:

Veja também:  General Villas Bôas sai em defesa de Moro e faz nova ameaça a quem tenta "esvaziar a Lava Jato"

“A MP obriga municípios a abrirem as portas para empresas privadas a qualquer custo. O setor privado está exercendo lobby sobre os deputados e senadores desta comissão”.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum