09 de abril de 2018, 15h51

Temer quer retirar seguranças e motoristas de Lula; ex-presidente foi ameaçado de morte

O direito que o Planalto quer suspender a Lula é garantido, por lei, a todo ex-presidente. "Preocupante", disse deputado petista

O presidente Michel Temer (MDB) quer retirar do ex-presidente Lula o direito de ter motoristas e seguranças oficiais. A subchefia da Administração da Presidência da República confirmou, nesta segunda-feira (9), que enviou à subchefia de Assuntos Jurídicos uma consulta em caráter de urgência para que o órgão avalie a retirada dos direitos.

Regulamentada em 2008 pelo próprio Lula, a lei sancionada em 1986 garante a todo ex-presidente da República dois veículos oficiais, dois motoristas, quatro seguranças e dois assessores. A ideia do Planalto é, após a prisão política do petista no último sábado (7), manter a ele apenas o direito de ter assessores, suspendendo a atuação dos seguranças e motoristas.

A subchefia de Assuntos Jurídicos ainda não deu um parecer sobre a consulta.

Lula ameaçado

Desde antes de sua prisão no último sábado (7) que  Lula é alvo de ameaças de todos os tipos, feitas principalmente por apoiadores do deputado federal Jair Bolsonaro (PSL). Recentemente, ônibus da caravana que o ex-presidente fazia pelo Sul do país foram alvo de um atentado a tiros. Neste final de semana, o petista chegou a ser ameaçado de morte por uma pessoa, ainda não identificada, que entrou em contato com o comandante do voo da Força Aérea Brasileira (FAB) que levava Lula a Curitiba (PR) e mandou jogar “esse lixo janela abaixo”.

Pelo Twitter, o deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) classificou a situação como “preocupante”.

“Áudio vazado com ameaças de morte ao presidente Lula. Agressão sofrida por Manuela D’Ávila hoje em Curitiba. Agora, os golpistas avaliam retirar direitos de Lula, como seguranças e motoristas. A situação atual é preocupante. É a segurança do ex-presidente Lula que está em jogo”, escreveu.

Leia também

Manuela D’Ávila denuncia ataque por simpatizante de Bolsonaro com a conivência da PF