Imprensa livre e independente
29 de março de 2019, 10h13

The Economist: “presidente aprendiz”, Bolsonaro pode durar pouco no governo

Publicação inglesa aborda "economia mórbida", dificuldades na articulação e ainda chama o vice General Mourão de "elemento-chave" no governo

Bolsonaro é chamado de presidente aprendiz pela The Economist (Reprodução)
Editorial publicado na revista britânica The Economist, divulgado nesta quinta-feira (28), chama Jair Bolsonaro de “presidente aprendiz” e sugere que seu mandato pode ser curto, a menos que o capitão da reserva “pare de provocar a aprenda a governar”. O jornal trata o vice General Mourão como “elemento-chave” na tentativa de impor “disciplina política” no alto comando da República, lamentando, porém, seus atritos com a família do mandatário. Leia ainda: Sistema financeiro já vê Mourão como “proteção de risco” ao naufrágio de Bolsonaro O texto diz que a economia brasileira “continua mórbida” três meses após a posse de Bolsonaro, que contou com...

Editorial publicado na revista britânica The Economist, divulgado nesta quinta-feira (28), chama Jair Bolsonaro de “presidente aprendiz” e sugere que seu mandato pode ser curto, a menos que o capitão da reserva “pare de provocar a aprenda a governar”.

O jornal trata o vice General Mourão como “elemento-chave” na tentativa de impor “disciplina política” no alto comando da República, lamentando, porém, seus atritos com a família do mandatário.

Leia ainda: Sistema financeiro já vê Mourão como “proteção de risco” ao naufrágio de Bolsonaro

O texto diz que a economia brasileira “continua mórbida” três meses após a posse de Bolsonaro, que contou com o apoio do mercado e do empresariado, graças aos acenos liberais do ministro Paulo Guedes.

Editorialmente alinhado com o mundo financeiro, o The Economist culpa o próprio Bolsonaro pelas dificuldades para a aprovação da Reforma da Previdência e atesta que, mesmo se o governo obtiver sucesso nesta empreitada, não significa que viabilizará a retomada do crescimento econômico.

Os impasses na articulação política e o embate com o presidente da Câmara Federal, Rodrigo Maia (DEM-RJ) também são elencados pelo jornal.

Veja também:  Comissão pode investigar gasto de R$ 7 milhões com Memorial da Anistia brasileiro

O texto diz que, apesar de ter sido eleito condenando o que chamava de “velha política” e “toma lá, dá cá”, Jair Bolsonaro não possui estratégias para “controlar” o Congresso.

“À parte a sua equipe econômica, seu governo é uma coleção de generais aposentados, políticos de médio escalão, protestantes evangélicos, um filósofo antes obscuro chamado Olavo de Carvalho”, reclama o The Economist ao citar também o desgaste político do presidente ao determinar que os quartéis comemorem o golpe de 31 de março de 1964.

Até as nébulas relações do clã Bolsonaro com as milícias e com os suspeitos de assassinato da vereadora Marielle Franco são citados pelo editorial.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum