03 de fevereiro de 2019, 15h53

Trump recusa reunião com Maduro e diz que abrir guerra com a Venezuela é uma opção

Neste sábado (2), Francisco Estéban Yánez Rodríguez tornou-se o primeiro general da ativa do país a reconhecer publicamente Guaidó como presidente venezuelano, exortando outros militares a desertarem de Maduro. John Bolton, conselheiro de Trump, anunciou o envio de "ajuda humanitária"

Reprodução
O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou em entrevista neste domingo (3) à rede CBS que recusou se reunir com o presidente Nicolás Maduro e que o envio de tropas militares para a Venezuela “é uma opção”. “Certamente é algo que está… É uma opção”, disse Trump sobre o envio de tropas em entrevista ao programa Face the Nation. “Bem, ele [Maduro] requisitou uma reunião e eu recusei, porque já estamos muito longe no processo”. Em 23 de janeiro, Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, proclamou-se presidente interino da Venezuela e obteve apoio de países como Estados Unidos, Brasil, Colômbia...

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou em entrevista neste domingo (3) à rede CBS que recusou se reunir com o presidente Nicolás Maduro e que o envio de tropas militares para a Venezuela “é uma opção”.

“Certamente é algo que está… É uma opção”, disse Trump sobre o envio de tropas em entrevista ao programa Face the Nation. “Bem, ele [Maduro] requisitou uma reunião e eu recusei, porque já estamos muito longe no processo”.

Em 23 de janeiro, Guaidó, presidente da Assembleia Nacional, proclamou-se presidente interino da Venezuela e obteve apoio de países como Estados Unidos, Brasil, Colômbia e, nesta semana, do Parlamento Europeu.

No sábado (2), Francisco Estéban Yánez Rodríguez tornou-se o primeiro general da ativa do país a reconhecer publicamente Guaidó como presidente venezuelano, exortando outros militares a desertarem de Maduro. John Bolton, conselheiro de Trump, anunciou o envio de “ajuda humanitária”.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.