08 de junho de 2015, 17h21

“Tudo bem encenar a ‘Paixão de Cristo’, mas quando é uma travesti não pode, não é?”

Atriz transexual que encenou a crucificação de Cristo na Parada do Orgulho LGBT rebate acusações de desrespeito à fé cristã: "Usei as marcas de Jesus, que foi humilhado, agredido e morto. Justamente o que tem acontecido com muita gente no meio GLS, mas com isso ninguém se choca”.

Atriz transexual que encenou a crucificação de Cristo na Parada do Orgulho LGBT rebate acusações de desrespeito à fé cristã: “Usei as marcas de Jesus, que foi humilhado, agredido e morto. Justamente o que tem acontecido com muita gente no meio GLS, mas com isso ninguém se choca” Por Redação A atriz Viviany Beleboni, de 26 anos, é a mulher transexual que ontem (9), durante a 19ª Parada do Orgulho LGBT, em São Paulo, apareceu pregada a uma cruz, representando o sofrimento de Jesus. A cena causou a fúria de alguns religiosos – entre eles, o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) –,...

Atriz transexual que encenou a crucificação de Cristo na Parada do Orgulho LGBT rebate acusações de desrespeito à fé cristã: “Usei as marcas de Jesus, que foi humilhado, agredido e morto. Justamente o que tem acontecido com muita gente no meio GLS, mas com isso ninguém se choca”

Por Redação

A atriz Viviany Beleboni, de 26 anos, é a mulher transexual que ontem (9), durante a 19ª Parada do Orgulho LGBT, em São Paulo, apareceu pregada a uma cruz, representando o sofrimento de Jesus. A cena causou a fúria de alguns religiosos – entre eles, o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) –, que a acusaram nas redes de desrespeitar a fé cristã.

Viviany explicou quais eram os objetivos de sua intervenção. “Nunca tive a intenção de atacar a igreja. A ideia era, mesmo, protestar contra a homofobia”, disse, em entrevista ao portal G1.“Eu vejo a Parada como um protesto, não como uma festa”, continuou. “Usei as marcas de Jesus, que foi humilhado, agredido e morto. Justamente o que tem acontecido com muita gente no meio GLS, mas com isso ninguém se choca”.

Na parte de cima da cruz, foi fixado um cartaz com os dizeres “Basta de homofobia com GLBT”. “As pessoas não sabem ler? Coloquei a placa justamente para ficar claro que era um protesto. E mais: tudo bem encenar a ‘Paixão de Cristo’, mas quando é travesti não pode, não é?”, contestou.

Ela conta que, depois que fotos suas foram divulgadas na internet, recebeu diversas ameaças. “Teve gente dizendo que ano que vem vão colocar fogo na Parada”, relatou.

(Foto: Reprodução/Facebook)