12 de junho de 2018, 14h48

UFRJ instala “lixeiras” para descartar racismo, machismo e LGBTfobia

A obra recebeu o nome de “Recicláveis” e faz parte da galeria a céu aberto inaugurada pela instituição, com peças de artistas da Escola de Belas Artes

Foto: Divulgação

A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) encontrou uma maneira bem-humorada de combater o preconceito de todas as formas. O Parque Tecnológico da instituição acabou de inaugurar uma galeria de arte a céu aberto, composta por obras de artistas da Escola de Belas Artes. Uma delas recebeu o nome de “Recicláveis”, de Thales Valoura. Ele transformou mobiliários de coleta seletiva em lixeiras para racismo, machismo e LGBTfobia.

Segundo o blog do Ancelmo Gois, de O Globo, a ideia é que o público possa depositar nessas lixeiras bilhetinhos, reconhecendo seus preconceitos ou reclamando de problemas relacionados com isso pelos quais tenha passado.