Imprensa livre e independente
15 de novembro de 2013, 09h57

Vencedor do Jabuti pede que se combata “com todas as forças” restrições às biografias

Discurso foi feito após Audálio Dantas receber o prêmio: “Quando as pessoas são públicas, as biografias pertencem ao público.”

Discurso foi feito após Audálio Dantas receber o prêmio: “Quando as pessoas são públicas, as biografias pertencem ao público.” Por Igor Carvalho Sala São Paulo foi a sede do Prêmio Jabuti 2013 (Foto: Prêmio Jabuti) O escritor e jornalista Audálio Dantas foi o vencedor do Prêmio Jabuti 2013 de Melhor Livro do Ano na categoria não ficção, com sua obra “As Duas Guerras de Vlado Herzog: da perseguição nazista na Europa à morte sob tortura no Brasil”. Após receber o prêmio, discursou e pediu que se combata “com todas as forças” as tentativas de se restringir as publicações de biografia no...

Discurso foi feito após Audálio Dantas receber o prêmio: “Quando as pessoas são públicas, as biografias pertencem ao público.”

Por Igor Carvalho

Sala São Paulo foi a sede do Prêmio Jabuti 2013 (Foto: Prêmio Jabuti)

O escritor e jornalista Audálio Dantas foi o vencedor do Prêmio Jabuti 2013 de Melhor Livro do Ano na categoria não ficção, com sua obra “As Duas Guerras de Vlado Herzog: da perseguição nazista na Europa à morte sob tortura no Brasil”. Após receber o prêmio, discursou e pediu que se combata “com todas as forças” as tentativas de se restringir as publicações de biografia no Brasil.

Para exemplificar a importância de se manter a produção e comercialização de obras bibliográficas, Dantas citou o livro “Marighella: O guerrilheiro que incendiou o mundo”.

“O debate que livros como o meu, como o do Mário Magalhães sobre o Marighella trazem é essencial para que as novas gerações não se esqueçam, ou melhor, fiquem sabendo do que realmente aconteceu no nosso país naquele período [ditadura]”, afirmou Dantas.

Para o escritor premiado, as tentativas de proibição são “movidas por interesses muitas vezes simplesmente peculiares”.  Por fim, Dantas afirmou que “quando as pessoas são públicas, as biografias pertencem ao público.”

Veja também:  Joaquim Levy pede demissão do BNDES e abre nova crise no governo Bolsonaro

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum