Imprensa livre e independente
02 de agosto de 2016, 11h37

Venezuela fará referendo que pode revogar o mandato de Maduro

Opositores precisavam de assinaturas de 1% do eleitorado. Processo agora irá para a segunda fase, onde eles precisarão de 20%.

Opositores precisavam de assinaturas de 1% do eleitorado. Processo agora irá para a segunda fase, onde eles precisarão de 20% Por Redação O partido de oposição na Venezuela, o MUD (Mesa da Unidade Democrática), conseguiu reunir mais de 407 mil assinaturas para iniciar o referendo que dará à população o poder de decidir de revogar ou não o mandato do presidente Nicolás Maduro. Segundo o presidente do (CNE) Conselho Nacional Eleitoral, Tibisay Lucena, cerca de 399 mil assinaturas comprovaram ser verdadeiras, enquanto mais de mil não coincidiram com o banco de dados. A legislação venezuelana diz que para convocar um...

Opositores precisavam de assinaturas de 1% do eleitorado. Processo agora irá para a segunda fase, onde eles precisarão de 20%

Por Redação

O partido de oposição na Venezuela, o MUD (Mesa da Unidade Democrática), conseguiu reunir mais de 407 mil assinaturas para iniciar o referendo que dará à população o poder de decidir de revogar ou não o mandato do presidente Nicolás Maduro.

Segundo o presidente do (CNE) Conselho Nacional Eleitoral, Tibisay Lucena, cerca de 399 mil assinaturas comprovaram ser verdadeiras, enquanto mais de mil não coincidiram com o banco de dados.

A legislação venezuelana diz que para convocar um referendo seria necessário recolher assinaturas de 1% dos eleitores do país, o que significaria menos de 200 mil eleitores. “Os 24 estados cumpriram a exigência de 1% da manifestação de vontade”, afirmou Lucena.

Na próxima fase, a oposição precisa reunir a vontade de 20% dos cidadãos que votam para iniciar o referendo.

Veja também:  Comunismo para o século XXI

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum