14 de dezembro de 2017, 17h23

Voto feminista contra assédio derrota senador republicano em estado anti-democratas

Na disputa pelo Senado norte-americano, o promotor federal Doug Jones derrotou o juiz federal Roy Moore, suspeito de estupro de vulnerável por causa de sua relação com adolescentes nos anos 80. Moore foi apoiado pelo presidente Donald Trump.

Na disputa pelo Senado norte-americano, o promotor federal Doug Jones derrotou o juiz federal Roy Moore, suspeito de estupro de vulnerável por causa de sua relação com adolescentes nos anos 80. Moore foi apoiado pelo presidente Donald Trump. Da Redação* O voto de mulheres negras e o impulso da campanha #metoo, que trouxe à luz casos de assédio e agressão sexual no showbiz e na política dos EUA, deram ao Partido Democrata sua primeira vitória em 25 anos, em uma disputa para o Senado travada no estado do Alabama. Na terça-feira (12), o promotor federal Doug Jones, 63, derrotou o...

Na disputa pelo Senado norte-americano, o promotor federal Doug Jones derrotou o juiz federal Roy Moore, suspeito de estupro de vulnerável por causa de sua relação com adolescentes nos anos 80. Moore foi apoiado pelo presidente Donald Trump.

Da Redação*
O voto de mulheres negras e o impulso da campanha #metoo, que trouxe à luz casos de assédio e agressão sexual no showbiz e na política dos EUA, deram ao Partido Democrata sua primeira vitória em 25 anos, em uma disputa para o Senado travada no estado do Alabama. Na terça-feira (12), o promotor federal Doug Jones, 63, derrotou o juiz federal Roy Moore (foto), suspeito de estupro de vulnerável por causa de sua relação com adolescentes nos anos 80 (incluindo com uma de 14 anos), por pouco mais de 20 mil votos. Moore, 70, nega as alegações.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

No ano passado, o estado sulista, tradicional reduto republicano, preferira Donald Trump para a presidência por uma margem de 28 pontos sobre Hillary Clinton. Mas as denúncias de cunho sexual contra Moore derreteram a vantagem de 20 pontos percentuais que o juiz conservador mantinha nas pesquisas. Pouco adiantou o apoio declarado por Trump ao correligionário no fim de novembro, após alguma hesitação, para tentar manter a maioria de 52 cadeiras no Senado.

A derrota de Moore se soma à aposentadoria ou renúncia nos últimos dias de três congressistas acusados de assédio ou agressão sexual e mostra a força do movimento #metoo (“eu também”), em que mulheres expuseram em redes sociais e páginas de jornal a violência sexual que sofreram.
O próprio Trump está no alvo de uma campanha de congressistas mulheres, que pedem que ele renuncie em razão de 16 denúncias de assédio sexual contra o presidente surgidas desde a eleição.

embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley, a mulher mais proeminente do governo Trump, defendeu a investigação das alegações.

“Ante as opções, os eleitores do Alabama fizeram o impensável: elegeram um democrata”, escreveu o analista John Hudak, da Brookings Institution. Para ele, a escolha se deu para afastar um suposto predador sexual da tarefa de representar o estado. O ex-juiz saiu-se mal com o eleitorado do próprio Trump: analistas estimam que ele obteve só 49% dos votos que o presidente teve no estado, prejudicado por uma alta abstenção nesse grupo.

O que se provou crucial foi o eleitorado negro. Embora perfaçam 26% das pessoas aptas a votar no estado, eles responderam por 29% dos votos desta vez — e 96% escolheram Jones. Mulheres negras foram 17% dos que votaram (98% delas, no democrata; entre as mulheres em geral, Jones venceu com 57%).

O número impressiona se considerado que, no sul dos EUA, grande parte da população negra se abstém por acreditar que seu voto não terá peso ou por obstáculos legais como a exigência de um documento com foto. Nos EUA, não há RG, e a maioria usa carteira de motorista ou passaporte, mais raros entre a parcela mais pobre (e negra). A vantagem de Jones apareceu sobretudo nas áreas de concentração de afro-americanos. Em alguns desses condados, o democrata chegou a receber 80% dos votos.

*Com informações do UOL

Foto: Commons