13 de abril de 2018, 17h13

Wadih Damous: “O nível de parte do jornalismo brasileiro é o nível Noblat: baixíssimo”

Pela manhã, o ex-presidente da OAB-RJ, deputado federal Wadih Damous, divulgou um vídeo em que tece duras críticas ao STF e, pelo Twitter, Ricardo Noblat o chamou de "maluco"

O deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) divulgou um novo vídeo em que responde ao xingamento feito pelo jornalista da Veja, Ricardo Noblat. Mais cedo, Damous, que foi presidente da OAB-RJ, divulgou um primeiro vídeo pelo Facebook em que tece duras críticas ao ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, e à própria corte.

“Nós temos que redesenhar o Poder Judiciário e o papel do Supremo Tribunal Federal. Tem que fechar o Supremo Tribunal Federal. Nós temos que criar uma Corte constitucional, de guarda exclusiva da Constituição, com seus membros detentores de mandato”, disse Damous, depois de criticar uma fala de Barroso em que o ministro diz que é papel do Supremo corrigir as escolhas do povo.

Pelo Twitter, então, Noblat destacou apenas a parte em que o deputado diz que é preciso fechar o Supremo, sem citar a parte em que sugere a criação de uma Corte Constitucional, e o chama de “maluco”.

“O deputado federal Wadih Damous (PT-RJ) disse em vídeo publicado hoje que “tem que fechar o Supremo Tribunal Federal”. Nem Bolsonaro chegou a tanto. Malucos da esquerda são iguais a malucos da direita. Fuja deles!”, escreveu o blogueiro da Veja.

Como tréplica, Damous acusou Noblat de praticar um “péssimo” jornalismo ao usar apenas a parte que lhe interessa e não divulgar seu vídeo na íntegra. “Uma atitude de desonestidade intelectual e péssimo jornalismo (…) Eu disse que defendia o fechamento do Supremo para dar lugar a um Tribunal Constitucional. Esse é um debate corriqueiro nos meios jurídicos e acadêmicos. Há PECs na Câmara dos Deputados tratando disso (…) É um assunto aberto que Ricardo Noblat transforma em guerra política desonestamente. Noblat, faça um jornalismo honesto, não tente fazer essa jogadinha infantil, desonesta, que mostram o péssimo jornalista que você é”.

Assista a íntegra.