ASSISTA
24 de julho de 2017, 14h06

Washington Olivetto chama empoderamento feminino de clichê constrangedor

“A publicidade cria ciclicamente clichês constrangedores do tipo ‘pensar fora da caixa’, ‘quebrar paradigmas’, ‘desconstruir’, agora o "empoderamento feminino’. Que são todos primos-irmãos de um baixo nível intelectual, são primos-irmãos do ‘beijo no seu coração’. A gente tem que fugir desses clichês”, disse.

“A publicidade cria ciclicamente clichês constrangedores do tipo ‘pensar fora da caixa’, ‘quebrar paradigmas’, ‘desconstruir’, agora o “empoderamento feminino’. Que são todos primos-irmãos de um baixo nível intelectual, são primos-irmãos do ‘beijo no seu coração’. A gente tem que fugir desses clichês”, disse.

Da Redação*

Em entrevista publicada nesta segunda-feira (24), no portal da BBC Brasil, o publicitário Washington Olivetto, um dos mais premiados do Brasil e do mundo, falou sobre vários assuntos, entre eles os clichês que permeiam a publicidade moderna.

“A publicidade cria ciclicamente clichês constrangedores do tipo ‘pensar fora da caixa’, ‘quebrar paradigmas’, ‘desconstruir’, agora o “empoderamento feminino’. Que são todos primos-irmãos de um baixo nível intelectual, são primos-irmãos do ‘beijo no seu coração’. A gente tem que fugir desses clichês”, disse.

Mais à frente, o publicitário explica: “O empoderamento feminino está participando de qualquer reunião. Empoderamento feminino se pratica, não se prega. Ele já existia na (campanha) Valisere Primeiro Sutiã. Existia no Garoto Bombril. As pessoas não têm a cultura disso. As meninas que falam sobre empoderamento feminino precisariam saber uma história curiosa. No ano em que comecei a trabalhar, existia nos Estados Unidos um cigarro chamado Eve, um cigarro para mulheres. Foi um sucesso”, conta.

Daí em diante, Olivetto conta em detalhes a história da campanha do cigarro Charm:

“Anos depois, a Souza Cruz resolveu lançar um cigarro para mulheres chamado Charm. Quem fez a primeira campanha foi o José Zaragoza. Ele fez uma campanha brilhante que dizia ‘No Brasil, toda mulher tem Charm’. Tinha um outdoor que tinha desde a Leila Diniz, o tesão do planeta da época, até a Clementina de Jesus, sambista negra maravilhosa. Charm foi lançado e foi um fracasso. Por quê? As mulheres acharam que era um cigarro para mulherzinha. Elas queriam fumar cigarros que nem de homem: empoderamento feminino. Fui trabalhar na agência e tivemos que mudar a campanha. Ficou: “no Brasil, toda mulher tem Charm, só deixa de fumar se você gostar muito dele”, e botamos um homem junto. Salvamos o Charm. Depois pusemos ‘o importante é ter Charm’, que era genérico”.

“Tem que ter bom senso. Acho que a vida, cada vez mais, é um gesto atrelado ao bom senso”, encerra.

*Com informações da BBC Brasil

Foto: Divulgação WMcCann