Seja Sócio Fórum
27 de agosto de 2014, 12h56

Zara tira de catálogo pijama infantil que lembra uniforme nazista

Essa não é a primeira polêmica envolvendo a marca espanhola, que já havia sido denunciada por trabalho escravo.

Essa não é a primeira polêmica envolvendo a marca espanhola, que já havia sido denunciada por trabalho escravo Por Redação Com listras em preto e branco e uma estrela amarela do lado esquerdo, um pijama infantil da marca Zara está causando revolta por ter sido associado aos uniformes usados por judeus nos campos de concentração nazistas. Pelo twitter, a empresa pediu desculpas aos ofendidos, afirmando que a roupa foi inspirada nos filmes de xerife, e garantiu que já retirou as peças das lojas. “Que designer na Zara pensaria que esta roupa é sobre xerifes e não Auschwitz? Sim, isso é...

Essa não é a primeira polêmica envolvendo a marca espanhola, que já havia sido denunciada por trabalho escravo

Por Redação

Com listras em preto e branco e uma estrela amarela do lado esquerdo, um pijama infantil da marca Zara está causando revolta por ter sido associado aos uniformes usados por judeus nos campos de concentração nazistas. Pelo twitter, a empresa pediu desculpas aos ofendidos, afirmando que a roupa foi inspirada nos filmes de xerife, e garantiu que já retirou as peças das lojas.

“Que designer na Zara pensaria que esta roupa é sobre xerifes e não Auschwitz? Sim, isso é real”, disse um dos internautas sobre a foto da oferta, que estava disponível via internet para consumidores de vários países; entre eles, Israel. O mal-estar gerou inúmeras críticas e trouxe à tona discussões a respeito do Holocausto, considerado um dos períodos mais dolorosos da história mundial.

Polêmicas

Essa não é a primeira polêmica envolvendo a marca espanhola. Em maio deste ano, representantes da Zara admitiram, em depoimento à Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Trabalho Escravo, na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), que confecções terceirizadas por ela mantinham trabalhadores em regime análogo à escravidão. Após o flagrante, a empresa firmou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) e vem cumprindo uma extensa lista de ações para evitar que o erro se repita, de forma a assegurar que seus fornecedores cumpram os requisitos da lei brasileira.

Fórum em Brasília, apoie a Sucursal

Fórum tem investido cada dia mais em jornalismo. Neste ano inauguramos uma Sucursal em Brasília para cobrir de perto o governo Bolsonaro e o Congresso Nacional. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Clique no link abaixo e faça a sua doação.

Apoie a Fórum