12 de fevereiro de 2019, 20h38

Zema chama crime de Brumadinho de “incidente” e defende a Vale

“Não tem faltado por parte da empresa neste momento assumir esse compromisso. Parece que desta vez eles reconheceram o erro apesar do incidente”, afirmou o governador de Minas Gerais

Foto: Reprodução/TV NBR
Romeu Zema (Novo), governador de Minas Gerais, chamou, nesta terça-feira (12), o crime que vitimou centenas de pessoas, com o rompimento da barragem de Brumadinho, de “incidente”, de acordo com informações de Juliana Cipriani, do Estado de Minas. Até o momento, a Defesa Civil do estado confirmou 160 mortos, além de dezenas de desaparecidos. A afirmação foi feita durante reunião com deputados federais e após ouvir críticas dos parlamentares. “Não tem faltado por parte da empresa neste momento assumir esse compromisso. Parece que desta vez eles reconheceram o erro apesar do incidente”, disse Zema. O governador defendeu que a oferta...

Romeu Zema (Novo), governador de Minas Gerais, chamou, nesta terça-feira (12), o crime que vitimou centenas de pessoas, com o rompimento da barragem de Brumadinho, de “incidente”, de acordo com informações de Juliana Cipriani, do Estado de Minas.

Até o momento, a Defesa Civil do estado confirmou 160 mortos, além de dezenas de desaparecidos.

A afirmação foi feita durante reunião com deputados federais e após ouvir críticas dos parlamentares.

“Não tem faltado por parte da empresa neste momento assumir esse compromisso. Parece que desta vez eles reconheceram o erro apesar do incidente”, disse Zema.

O governador defendeu que a oferta da Vale de oferecer de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões às famílias dos mortos, seja aceita pelos atingidos. “A Promotoria Pública tem de certa maneira forçado a Vale a ficar pagando uma bolsa-auxílio, o que parece não fazer sentido, porque se cada família receber de R$ 1 milhão a R$ 2 milhões, teria condição de fazer um investimento e já ia ajudar a economia local a se recompor”, acrescentou.

Nossa sucursal em Brasília já está em ação. A Fórum é o primeiro veículo a contratar jornalistas a partir de financiamento coletivo. E para continuar o trabalho precisamos do seu apoio. Saiba mais.